PUBLICIDADE
Topo

Prisão federal onde está Marcola tem primeiro caso suspeito de coronavírus

21.jan.2020 - Marcola ao deixar prisão federal em Brasília para passar por bateria de exames - André Coelho/Folhapress
21.jan.2020 - Marcola ao deixar prisão federal em Brasília para passar por bateria de exames Imagem: André Coelho/Folhapress

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

19/05/2020 18h07

Resumo da notícia

  • Preso com suspeita de coronavírus chegou de Pernambuco ontem
  • Transferência ocorreu porque a Justiça viu riscos em mantê-lo em PE
  • Presídio federal de Brasília abriga Marcola e membros da cúpula do PCC

O presídio federal de Brasília onde Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, está desde março do ano passado registrou o primeiro caso suspeito de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Membros do alto escalão da facção paulista também estão detidos no local.

Segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional), o preso saiu de Pernambuco e chegou ontem a Brasília. Ele foi imediatamente isolado.

O nome do preso não foi revelado, mas ele já apresentava sintomas de covid-19 antes da transferência. Segundo o Depen, ele foi levado para Brasília porque, segundo a Justiça local, a locomoção seria importante "para prevenir ações que desestabilizariam aquele estado".

O preso passa por um processo de triagem com a equipe de saúde da penitenciária federal e ficará 20 dias em uma cela separada das alas destinada apenas para quem tiver sintomas da doença.

As celas de isolamento em Brasília têm aproximadamente 9 m². Nela, há um espaço para banho de sol individualizado. Os internos comuns ficam em celas individuais de aproximadamente 7 m², com cama, banco, escrivaninha, prateleiras, vaso, pia e chuveiro.

"Nesses primeiros 20 dias ficará no período de triagem, onde ele passa por atendimentos com uma equipe multidisciplinar com médicos, psiquiatras, psicólogos, dentista, enfermeiros, assistente social e demais setores", afirmou o Depen por meio de nota.

Nos 20 primeiros dias, o preso não terá direito a visita, segundo o departamento, somente dos advogados constituídos. "O estabelecimento penal federal irá lhe fornecer toda a assistência material que poderá necessitar como: enxoval completo: camiseta manga curta e longa, calça, agasalho, tênis, sapato, lençol, toalha, travesseiro e meias", afirma o Depen, em nota.

"Durante o período que o interno permanece no sistema penitenciário federal, o estado tem controle absoluto de tudo que chegará ao preso e nenhum contato externo ocorre sem permissão ou fora do estrito cumprimento dos protocolos e procedimentos de segurança."

Nas penitenciárias administradas pelo governo do Distrito Federal, até a noite de ontem, 748 pessoas haviam sido contaminadas: 548 presos e 200 servidores.

Procurada, a defesa de Marcola diz não ter informações sobre o estado de saúde do preso.

Ouça também o podcast Ficha Criminal, com as histórias dos criminosos que marcaram época no Brasil. Este e outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Coronavírus