PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

João Pedro foi baleado pelas costas, aponta laudo cadavérico

João Pedro, 14, foi morto após operação policial em São Gonçalo (RJ) - Reprodução/Twitter/@_danblaz
João Pedro, 14, foi morto após operação policial em São Gonçalo (RJ) Imagem: Reprodução/Twitter/@_danblaz

Do UOL, em São Paulo

28/05/2020 13h09

O adolescente João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto por um tiro de fuzil disparado em direção às suas costas, segundo informação que consta no laudo cadavérico, que faz parte do inquérito que investiga o homicídio. De acordo com a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), o projétil entrou no corpo pela região torácica posterior — nas costas, na altura da axila direita.

Ainda de acordo com este exame, a bala foi encontrada na região escapular esquerda, o que indica uma trajetória de baixo para cima na diagonal. A delegacia destaca a necessidade de se realizar uma simulação dos eventos que levaram à morte do garoto.

O projétil que atingiu o garoto foi calibre 556, que foi recolhido por peritos da Polícia Civil, mesmo calibre de um fuzil que foi utilizado por um agente da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) durante a operação.

Segundo O Globo, a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), responsável por investigar o crime, aguarda resultado de um confronto balístico que vai determinar de que arma saiu o projétil, entre as usadas pelos três policiais que atiraram na ocasião.

Os policiais foram afastados e estão realizando, no momento, apenas atividades burocráticas.

Familiares e amigos da vítima disseram ao UOL que ele brincava no quintal da casa de um tio quando os policiais invadiram o imóvel e o atingiram na barriga. Já a Polícia Civil alega que o menino foi atingido durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais, sendo socorrido de helicóptero.

O corpo do jovem só foi encontrado pela família 17 horas depois, no IML (Instituto Médio Legal), sem vida. A delegacia de homicídios da Baixada Fluminense alega que a família do menino foi avisada sobre a morte no dia do socorro.

Allan Duarte, delegado e titular da Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), responsável pela investigação, disse acreditar que o caso será solucionado rápido. Ontem, o piloto e o comandante da aeronave que fizeram o resgate de João Pedro foram ouvidos na delegacia.

Cotidiano