PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês
MP investiga prefeito de Tamandaré (PE) por cargo público de doméstica

Sergio Hacker Corte Real (PSB) é prefeito de Tamandaré (PE) - Reprodução/Facebook
Sergio Hacker Corte Real (PSB) é prefeito de Tamandaré (PE) Imagem: Reprodução/Facebook

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

05/06/2020 16h06

O prefeito de Tamandaré (PE), Sérgio Hacker Corte Real (PSB), está sendo investigado pelo Ministério Público Estadual de Pernambuco depois que o órgão soube, por meio da imprensa, que o nome de Mirtes Renata Santana de Souza, empregada doméstica da casa dele, consta no quadro de cargos comissionados da administração municipal. Ela é mãe do menino Miguel Otávio Santana da Silva, 5, que morreu ao cair do 9º andar do prédio onde o prefeito mora com a família, no condomínio Pier Maurício de Nassau, localizado no bairro São José, área central do Recife.

A empregada doméstica trabalhava para a família de Hacker havia quatro anos. Miguel morreu na terça-feira (2), quando ficou aos cuidados da patroa da mãe dele, a primeira-dama Sarí Mariana Gaspar Corte Real, porque a empregada doméstica precisou levar a cadela de estimação da família Hacker para fazer necessidades fisiológicas na rua. O menino caiu do 9º andar do prédio e morreu. Ele acompanhava a mãe ao trabalho porque a creche está sem funcionar devido à pandemia do novo coronavírus.

Sarí Corte Real chegou a ser presa pelo crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar), depois que a Polícia Civil de Pernambuco analisou imagens do circuito interno do condomínio e viu que ela deixou a criança sozinha no elevador. A primeira-dama pagou a fiança de R$ 20 mil e foi liberada para responder em liberdade.

Mirtes afirmou que não sabia do cargo e que nunca foi à prefeitura de Tamandaré. Ela trabalhava sozinha quando Hacker, Sarí, e os dois filhos do casal, de três e seis anos, estavam no apartamento da família em Recife. E quando a família ia para a casa do prefeito em Tamandaré, a mãe de Mirtes, Marta Santana, era contratada para ajudar nas tarefas domésticas e cuidados com as crianças.

A empregada doméstica tem o nome na lista de cargos comissionados da prefeitura desde 1º de fevereiro de 2017. Teoricamente, ela exerce a função de gerente de divisão com lotação na manutenção das atividades de administração da prefeitura de Tamandaré. O salário para este cargo é de R$ 1.093,62, segundo os dados do portal da transparência.

Após tomar conhecimento do caso por meio da imprensa, a promotoria de Justiça de Tamandaré instaurou um inquérito civil hoje para apurar "possível prática de improbidade administrativa do prefeito Sérgio Hacker."

O Ministério Público informou que a promotoria de Justiça solicitou à chefia de gabinete da prefeitura informações, no prazo de três dias úteis, ou seja até terça-feira (9), dados funcionais sobre a servidora, como cargo, função, método de controle de ponto, local de lotação, entre outras informações à contratação dela como funcionária comissionada.

O UOL questionou o fato de o nome da empregada doméstica constar como funcionária da prefeitura de Tamandaré, e a assessoria de imprensa do prefeito informou que só vai se posicionar na semana que vem.

"Recebemos uma solicitação de informações pertinentes à senhora Mirtes Renata, do Ministério Público, e na próxima semana falaremos a respeito."

Protestos

A morte de Miguel tem causado uma série de protestos em redes sociais e no Recife. Desde ontem a hashtag #JustiçaPorMiguel é um dos assuntos mais comentados no Twitter. Personalidades, artistas e políticos prestaram solidariedade à família de Miguel e também cobraram por justiça.

Hoje, ativistas se reuniram em frente à sede do Tribunal de Justiça de Pernambuco, em Recife, vestidos de preto e segurando faixas e cartazes cobrando Justiça ao caso. Na tarde de hoje, outro grupo de ativistas juntos com familiares de Miguel estarão protestando em frente ao condomínio Pier Maurício de Nassau, para chamar a atenção das autoridades sobre a isenção das investigações no caso.

Cotidiano