PUBLICIDADE
Topo

Jovem é agredida por vizinhos em Manaus após ouvir insultos racistas

Do UOL, em São Paulo

30/06/2020 09h12Atualizada em 30/06/2020 12h01

Uma universitária de Manaus acusa vizinhos, entre eles uma servidora do Corpo de Bombeiros, de agressão por motivação racista. O caso aconteceu na madrugada da última quinta-feira (25) e foi filmado pelo circuito interno de segurança do condomínio.

Em entrevista à Rede Amazônica, afiliada da TV Globo, Dayse Brilhante, 22, disse que saiu para passear com seu cachorro, como sempre faz, quando percebeu que estava sendo filmada por algumas mulheres em frente a uma casa onde acontecia uma festa.

Ela, então, disse ter ouvido insultos racistas e se aproximado para questionar o motivo. Quando estava saindo para continuar sua caminhada, ela afirmou ter sido surpreendida pelas costas por uma mulher, que começou a agredi-la.

A mãe da jovem, Letícia Brilhante, compartilhou nas redes sociais um vídeo registrado por uma câmera de segurança do condomínio que mostra o momento em que Dayse é surpreendida pelas costas.

Nas imagens, uma mulher vem correndo por trás, acerta um tapa no rosto de Dayse e, em seguida, começa a puxar o seu cabelo. Uma segunda mulher sai de um carro e também entra na briga. A universitária tenta se livrar, mas é segurada pelo braço por uma das mulheres.

A universitária Dayse Brilhante diz ter sido agredida por motivação racista - Reprodução/Rede Amazônica - Reprodução/Rede Amazônica
A universitária Dayse Brilhante diz ter sido agredida por motivação racista
Imagem: Reprodução/Rede Amazônica

À TV, Dayse disse que conseguiu ir até a frente da sua casa para pedir ajuda. A mãe saiu para defender a filha, mas afirmou que passou a ser agredida também.

"Eu perguntava por que estavam fazendo isso com a minha filha e eles respondiam: 'essa negra tem que apanhar, tem que morrer'", declarou Letícia Brilhante.

Vizinhos registram B.O. contra jovem

Procurada pelo UOL, a Polícia Civil informou que o caso está em investigação. Segundo a corporação, foram registrados dois Boletins de Ocorrência, cada um por uma das partes envolvidas, com duas versões dos fatos.

"Há relatos de suposta agressão física e racismo de ambas as partes", disse a Polícia Civil, em nota.

Como a denúncia envolve servidores do Sistema de Segurança Pública, o caso será acompanhado pela Corregedoria Geral, que adotará medidas cabíveis, caso haja comprovação da veracidade dos fatos.

Cotidiano