PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês
Incêndio atinge favela Zaki Narchi, na zona norte de São Paulo

Fogo começou na R. Antônio dos Santos Neto, próximo ao DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) da Av. Zaki Narchi - Reprodução/GloboNews
Fogo começou na R. Antônio dos Santos Neto, próximo ao DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) da Av. Zaki Narchi Imagem: Reprodução/GloboNews

Do UOL, em São Paulo

08/07/2020 14h48Atualizada em 08/07/2020 18h34

A comunidade conhecida como favela Zaki Narchi foi atingida hoje por um incêndio que motivou o deslocamento de 18 viaturas e 50 oficiais do Corpo de Bombeiros para o seu combate. A favela fica no bairro do Carandiru, na zona norte de São Paulo.

Segundo informações dos Bombeiros, o fogo começou na região da Rua Antônio dos Santos Neto, que fica bem próxima ao Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) e a uma unidade de saúde do CEI (Centro Especializado em Reabilitação) municipal.

Ainda segundo a corporação, apesar da gravidade do incêndio, não há registro de vítimas. Em entrevista à CNN Brasil, um líder comunitário informou que 78 famílias foram atingidas e quatro pessoas estão desaparecidas, mas os bombeiros não confirmam esta informação.

De acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB-SP), que também conversou com a CNN, equipes da prefeitura — como Defesa Civil e Assistência Social — já estão no local para prestar atendimento às famílias. As causas do incêndio são desconhecidas.

A favela Zaki Narchi já sofreu com outros incêndios recentes e há dois anos chegou a ter quase 70 barracos consumidos pelas chamas, com 200 pessoas ficando desabrigadas.

A comunidade existe desde a década de 1970 e já passou por várias tentativas de administrações municipais anteriores de retirar as moradias irregulares da área. Em 2006, quando José Serra (PSDB-SP) era prefeito, o governo chegou a anunciar que a favela tinha acabado, com a remoção dos últimos moradores e barracos.

Antes da remoção à época, protestos dos moradores resultaram em confrontos com a Polícia Militar.

Cotidiano