PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
7 meses

Investigado, padre Robson se afasta de associação e diz estar 'confiante'

Padre Robson de Oliveira Pereira, de Goiás, é investigado por lavagem de dinheiro - Divulgação
Padre Robson de Oliveira Pereira, de Goiás, é investigado por lavagem de dinheiro Imagem: Divulgação

Do UOL, em Brasília

23/08/2020 12h44

Na mira de investigações por suspeitas de lavagem de dinheiro, o padre Robson de Oliveira anunciou ter pedido afastamento do comando das entidades presididas por ele ligadas à Afipe (Associação Filhos do Pai Eterno).

A associação arrecadava doações para a construção de uma nova basílica em Trindade (GO). O município, a 23 km de Goiânia, abriga a Basílica do Divino Pai Eterno, que é mantida pela Afipe e atrai milhares de fiéis. O padre Robson é reitor da Basílica.

O Ministério Público de Goiás investiga suspeitas de desvio de doações dos fiéis e a compra e venda de imóveis como casas, apartamentos e fazendas em diferentes estados.

Em vídeo postado em suas redes sociais, o padre Robson de Oliveira afirmou que todo o dinheiro arrecadado com doações foi utilizado em atividades religiosas e diz estar "sereno e confiante" de que tudo será esclarecido.

"Tudo está desde a primeira doação, e assim continua, na Afipe, e é utilizado para que nós levemos a nossa obra de evangelização aos fiéis ao mundo. Meu coração está sereno e confiante de que tudo será esclarecido o mais breve possível", disse.

"Eu sempre estive e continuo à disposição do Ministério Público. Por isso esse meu pedido de afastamento vai me permitir colaborar com as apurações da melhor forma e com total transparência para que seja confirmado que toda doação que fazemos ao pai eterno, terços rezados, o dinheiro doado, tempo, carinho, trabalho empregados na evangelização foi toda, repito, toda empregada na própria associação, a Afipe, em favor da evangelização", afirmou Oliveira.

Segundo o Ministério Público, as movimentações financeiras analisadas na investigação somam R$ 1,7 bilhão.

Segundo o promotor de Justiça Sebastião Marcos Martins, que coordenou a Operação Vendilhões, nem todo o valor movimentado é referente a atividades consideraras ilícitas. O valor total da fraude sob investigação ainda está sendo apurado, segundo o promotor.

A apuração tem como alvo a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), a Associação Filhos do Pai Eterno e Perpétuo Socorro e a Associação Pai Eterno e Perpétuo Socorro, todas presididas pelo padre Robson, segundo o MP.

O advogado da Afipe, Klaus Marques, afirmou à revista Época que todos os negócios da associação, como a compra e venda de imóveis, estão contabilizados e foram utilizados como investimentos para serem revertidos às próprias atividades religiosas da entidade.

Cotidiano