PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Família leva golpe ao comprar casa na praia por R$ 65 mil em anúncio na web

Família de Osasco sofre golpe ao tentar comprar imóvel no litoral - Arquivo Pessoal
Família de Osasco sofre golpe ao tentar comprar imóvel no litoral Imagem: Arquivo Pessoal

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

01/10/2020 11h46

Uma família que mora em Osasco, na Grande SP, sofreu um golpe ao tentar comprar uma casa no litoral paulista, em busca do sonho de morar perto da praia. Após alguns meses de pesquisa, ela encontrou um imóvel na cidade de Praia Grande, em anúncio do site de compras e vendas OLX. A negociação se desenrolou e custou R$ 65 mil, mas, ao chegar para a mudança, outra família também estava trazendo seus pertences ao local.

O caso ocorreu em março e o golpe se assemelha ao sofrido por outra família, do interior de São Paulo, que ficou sem moradia ao comprar uma casa no litoral de Santos. No dia 28 de março, após a corretora insistir para que conhecesse logo o imóvel, alegando que outras pessoas também estariam querendo comprar, a família foi visitar a casa.

A filha do casal, Julia Paes, 18, conversou com o UOL e explicou como foi o esquema, citando o golpe noticiado anteriormente. "Minha família se comoveu muito quando viu a reportagem, porque nós passamos pela mesma coisa. No começo do ano estávamos procurando casa na praia para comprar, porque era o nosso sonho. Entramos no site da OLX, foram meses e meses procurando uma casa que poderíamos pagar com o dinheiro do meu pai, que lutou muito. Quando achamos essa casa, começamos a conversar com a pessoa que se identificou como 'Fabiana', através do número que estava no site"

negociação - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Família de Osasco sofre golpe ao tentar comprar imóvel no litoral
Imagem: Arquivo Pessoal

Julia contou que a mulher se mostrava prestativa, sempre disposta a explicar os detalhes da negociação.

"Uma semana depois, no dia 28 de março, fomos visitar a casa. Quando chegamos lá, tinham quatro pessoas na casa, que se identificaram como os inquilinos do imóvel. Eram dois adultos e duas crianças. Nos receberam muito bem e eles mostraram os cômodos da casa. Depois da visita, sinalizamos que queríamos a casa", disse ela.

Em 2 de abril, a família foi ao cartório concretizar o negócio. "No local estavam uma mulher e um idoso, dois golpistas também. Depois de resolver tudo, compramos a casa no dia seguinte. Meu pai transferiu R$ 65.000 para a conta que a mulher passou, praticamente na mesma hora ela sumiu. Meus pais ficaram preocupados com o desaparecimento e decidiram ir novamente na casa em Praia Grande. Quando chegaram lá, encontraram uma outra família, que estava cheia de mudança, e disse que também tinham comprado aquela casa. Ou seja, as duas famílias levaram o golpe juntas. Eles receberam R$ 65.000 da gente e dessa outra família", explicou a estudante.

O UOL teve acesso às conversas que a família teve com a falsa corretora, que, logo após a transferência bancária, bloqueou o contato com as vítimas.

casa - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Família de Osasco sofre golpe ao tentar comprar imóvel no litoral
Imagem: Arquivo Pessoal

Após a família perceber que havia caído em um golpe, um advogado foi contratado.

"Foi muito difícil, muito complicado, ficamos muito tristes e até hoje estamos assim. No mesmo mês a gente contratou um advogado e estamos até agora na procura por eles [os falsos corretores]. Foi um dinheiro que meu pai guardou por 35 anos, perdemos um dinheiro muito grande para realizar um sonho nosso que, infelizmente, foi jogado no lixo. É impressionante o teatro que eles fazem com a gente, eles tentam deixar a gente o mais confortável possível, nem sei explicar. Eles conseguem te convencer, eles mexem com a cabeça da gente", finalizou Julia.

Defesa da família

Advogado da família, Rodrigo Estrada explicou como está o andamento do inquérito e afirmou que os mesmos criminosos aplicaram o golpe em outras pessoas na região.

"É uma quadrilha que atua basicamente na Baixada Santista e que já enganou várias pessoas. Fizemos um Boletim de Ocorrência e estamos aguardando, já que agora no dia 5 de outubro o meu cliente vai prestar um novo depoimento na delegacia de Jabaquara. O Boletim de Ocorrência foi feito em um primeiro momento pela internet por causa da pandemia e posteriormente nós fomos chamados na delegacia de Praia Grande, no início de julho, já que a casa que eles supostamente compraram fica lá", afirmou ele.

Estrada explica que a família realizou um reconhecimento: "Foi apresentando um álbum de fotos onde eles reconheceram uma das integrantes da quadrilha, uma mulher. Posteriormente, o Boletim de Ocorrência foi enviado para São Paulo, na delegacia do Jabaquara. O que temos de informação é que a mulher, que eles reconheceram, foi presa pela polícia. Eles estão investigando também o destino dos valores, já que o dinheiro era depositado em contas de laranjas, então estão investigando as pessoas que forneceram as contas bancárias".

OLX se pronuncia

Em nota, o site de compra e venda informou que está à disposição para colaborar com as investigações, mas que não teve acesso às evidências do caso até o momento. Confira a nota:

"A OLX não teve acesso às evidências de que esse caso ocorreu na plataforma, mas está à disposição das autoridades para colaborar na apuração dos fatos. A OLX esclarece que a atividade da empresa consiste na disponibilização de espaço para que usuários possam anunciar e encontrar produtos e serviços de forma rápida e simples. Diariamente, em torno de 500 mil anúncios são inseridos na plataforma. Toda negociação de imóveis é realizada fora do ambiente do site, portanto, a empresa não faz a intermediação ou participa de qualquer forma das transações, que são feitas diretamente entre os usuários", comunicou.

Entre as dicas de negociação oferecidas pelo site, a OLX enumera atenção especial a buscas pelos menores preços, que se tente formalizar os negócios por contrato, verificação dos dados para conferência com os do proprietário do imóvel, consulta a imóveis e condomínios vizinhos e que se evite depósitos antes das garantias dos itens anteriores.

Cotidiano