PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

'Achei que fosse me bater', diz mulher que ouviu ofensas em Jericoacoara

Jean Sfakianakis

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/02/2021 14h06

Um casal de turistas da Paraíba foi flagrado se envolvendo em uma confusão na entrada da Vila de Jericoacoara, famoso destino turístico do Ceará, no domingo (21). Luana, alvo de ofensas e funcionária da Prefeitura, relatou ao UOL o ocorrido e disse que temeu ser agredida. O marido da mulher que fez as ofensas disse que ela foi "destratada".

Nas imagens que viralizaram nas redes sociais, uma mulher identificada como Maria Ayla Moura Macelino, que é dentista em João Pessoa (PB), insulta Francisca Luana dos Santos, que trabalha há três anos no acesso à praia cobrando taxas e conferindo documentos para a prefeitura municipal.

"Eu não estou de favor nesse lugar. Se quiser, que entre. Se não quiser, que me mande embora. Você está entendendo?", disse a dentista. "Uma merda de um estado velho desse. Eu vim aqui para consumir. Para dar crédito a vocês, e me tratam dessa bosta? Vai para lá, eu morro de trabalhar, tratar de boca podre. Abre isso aqui, quero ir para o meu estado, porque na Paraíba isso não existe."

Luana conta que quase foi agredida, chegando até a retirar a mão da mulher de seu rosto. De acordo com ela, o marido da turista, Max Alexandre Lira dos Santos, chegou a pedir que a esposa descesse para agredir a funcionária da prefeitura.

"O esposo dela foi super ignorante comigo, disse 'amor, bata nela que ela é mulher igual a você', os dois desceram do carro e vieram para cima de mim, aí começaram a gravar. Eu fiquei tão assustada que comecei a chorar.

O estopim da confusão ocorreu quando Luana tentou impedir que o carro do casal entrasse na Vila, uma vez que somente indivíduos com necessidades especiais estariam autorizados. "Chegou a turma dela em uma excursão e (com o carro) quiseram entrar no estacionamento. Eu falei 'bom dia, tudo bem?', só conferir a taxa no voucher de vocês. Ela disse que não ia pagar para entrar nessa 'bagaça', não, e começou a discutir. Eu disse, 'sim, senhora. Mas acontece que carro não entra na Vila se não tiver nenhuma prioridade'", disse Luana. "Eu sou a prioridade", teria respondido a dentista.

"Minha esposa foi destratada", diz marido da dentista

A reportagem tentou entrar em contato com Maria Ayla, mas foi informada de que ela está muito assustada com a repercussão do caso e que está sendo medicada em casa. Seu marido, Max Alexandre Lira, disse que todas as taxas estavam pagas e que sua esposa é uma "pessoa do bem", apesar de ter se alterado.

"Estávamos numa expedição já organizada há algum tempo. Todas as taxas pagas. A versão que recusamos o pagamento é uma inverdade. Minha esposa foi destratada, temos mais de 20 testemunhas. Só queríamos nos divertir", disse Max.

Marido diz que mulher pediu desculpas, mas vítima nega

Ainda no domingo, Luana reportou as ofensas ao seu superior e logo a polícia foi acionada. "Ela foi ignorante com os policiais, fomos em viaturas diferentes para a delegacia. Ela disse que quando descesse ela iria me agredir", conta Luana.

Já na delegacia, Luana foi informada que, se quisesse registrar o caso, teria que ser em sua cidade natal, em Jijoca de Jericoacoara. Antes, a vítima disse que ainda na delegacia Ayla percebeu que havia passada o efeito do álcool e começou a chorar.

Nesse momento, Max afirma que ela teria pedido desculpas, o que foi negado pela vítima. "Minha esposa é uma pessoa do bem, se alterou? Sim! Na delegacia pediu desculpas", diz.

"Toda exposição da fala dela foi desnecessária e desautorizada. Tudo já está com os nossos advogados. Graças a Deus estamos em casa em nosso território, mas ela continua à base de remédio. Terá acompanhamento psicológico", encerrou Max.

Luana afirmou que registrará um boletim de ocorrência contra Maria Ayla em breve.

A prefeitura se posicionou por meio de um comunicado: "Notadamente alterada, a visitante desacatou os servidores que estavam a serviço da prefeitura, sendo conduzida por policiais até a delegacia. No vídeo, é possível ver a turista proferindo palavras de ofensa contra a funcionária, que registrou um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) contra o casal".

Cotidiano