PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

AP: servidor da SVS é preso suspeito de vender testes grátis de covid

iStock
Imagem: iStock

Ed Rodrigues

Colaboração para o UOL, no Recife

23/02/2021 15h36

Um servidor de 38 anos da SVS (Superintendência em Vigilância em Saúde) do Amapá foi preso suspeito de comercializar kits de testagem da covid-19. Os testes, comprados com dinheiro do contribuinte e oferecidos gratuitamente na rede pública, eram oferecidos pelo homem por R$ 100 cada um.

Segundo a Polícia Civil, o funcionário foi indiciado por corrupção passiva e peculato. De acordo com a investigação, o servidor nem se preocupava em esconder o esquema e se apresentava trajando uniforme oficial e conduzindo veículo institucional.

Após fazer negócio com uma família de Cidade Nova, ao leste de Macapá, o servidor foi flagrado por outro morador da área, que percebeu que se tratava de um ato ilegal e resolveu denunciar.

O vizinho descobriu que o funcionário estaria cobrando pelos kits gratuitos. "Ele concluiu a venda de 8 kits a R$ 800. E, quando estava indo embora, os vizinhos fotografaram. Essa imagem chegou a nosso conhecimento", contou o delegado Leandro Leite.

Em outro caso, a venda foi feita para uma família inteira do interior do Amapá. "Tinham acabado de perder um ente querido infectado pelo novo coronavírus. E, como estavam bastantes preocupados com a contaminação, adquiriram kits de testagem R$ 100 cada um", continuou.

Em nota, a Polícia Civil informou que ouviu depoimentos de pessoas que compraram os testes. A algumas delas, o servidor chegou a se apresentar como funcionário de uma clínica particular de vacinação.

O órgão informou também que os elementos apurados em investigação confirmaram a participação do suspeito.

Com a conclusão do caso, o servidor, que não teve a identidade divulgada, foi indiciado e colocado à disposição da Justiça do Amapá. Se condenado, a pena pode chegar a 20 anos de reclusão.

O UOL procurou a Superintendência em Vigilância em Saúde do Amapá para comentar os fatos. No entanto, o órgão ainda não se posicionou.

Cotidiano