PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Ex-militar do Exército morre em operação da PM no Rio; família cobra laudo

Guilherme Martins de Oliveira morre em operação da PM no Rio de Janeiro - Arquivo pessoal
Guilherme Martins de Oliveira morre em operação da PM no Rio de Janeiro Imagem: Arquivo pessoal

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

05/03/2021 14h04Atualizada em 05/03/2021 18h48

Um ex-militar do Exército morreu ontem durante uma troca de tiros entre policiais militares e supostos criminosos nas proximidades do Complexo do Chapadão, na altura de Guadalupe, na zona norte do Rio de Janeiro. Guilherme Martins de Oliveira, 20, havia deixado as Forças Armadas há menos de um mês e tinha feito prova do Enem esse ano. O seu sonho era entrar em uma faculdade para cursar educação física.

De acordo com o pai dele, Flávio Oliveira, Guilherme havia saído de casa para encontrar outros dois amigos do quartel próximo ao Chapadão. O grupo conversava em uma praça quando foi surpreendido com a chegada da polícia. Houve confronto na região e Guilherme foi atingido por três tiros, sendo socorrido ao Hospital Estadual Carlos Chagas já sem vida. Agora, o pai reivindica o laudo do IML (Instituto Médico Legal) para confirmar que o filho não tinha pólvora na mão e provar que a vítima não trocou tiros com a polícia.

"Eles me disseram que só entregam esse laudo para um advogado da família ou para a polícia, pois alegam que é um documento exclusivo de investigação. Ele era um menino muito amado, muito querido. Os amigos do quartel estão querendo pagar o sepultamento dele. Ele saiu do Exército há menos de um mês e o comandante já tinha arrumado outro trabalho para ele", explicou o pai ao UOL na manhã de hoje.

Na semana que vem, Guilherme começaria a trabalhar em uma unidade do Colégio Militar. "Era um menino muito bom. Com 20 anos me pedia benção", recordou o pai.

O pai de Guilherme disse ainda que os pertences do filho desapareceram: dinheiro, documento e telefone celular. Flávio disse que, na noite de ontem, o sinal de GPS do celular mostrou que o aparelho estaria próximo de una esquina onde fica um veículo blindado da polícia.

Ainda segundo a família, outros três jovens foram baleados pela polícia. Um amigo de Guilherme também morreu na ação. Ele foi identificado como Gabriel Marques Rodrigues Rosa, de 21 anos. Segundo o CML (Comando Militar do Leste) os dois não pertencem mais à instituição, tendo, somente prestado o Serviço Militar Obrigatório.

Procurada, a PM informou que uma equipe do 41º BPM (Irajá) sofreu uma emboscada de criminosos armados durante troca dos agentes que estavam no veículo blindado, na rua Fernando Lobo, nas proximidades do Complexo do Chapadão. Os policiais revidaram, reforços foram enviados e houve um novo confronto na região.

"Na ação, três criminosos foram feridos, sendo socorridos para o Hospital Estadual Carlos Chagas. Foram apreendidos uma pistola, munições, um rádio transmissor, uma granada, drogas, e dois aparelhos celulares", afirmou a PM.

A corporação informou ainda que vai instaurar um Inquérito Policial Militar para apurar a dinâmica da ação.

Cotidiano