PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Crianças quebram vidro, invadem e vandalizam escola no Paraná

Sala de aula da Escola John Kennedy, em Colombo (PR) - Reprodução/Prefeitura de Colombo
Sala de aula da Escola John Kennedy, em Colombo (PR) Imagem: Reprodução/Prefeitura de Colombo

Colaboração para op UOL, em São Paulo

04/05/2021 09h28

A Escola Municipal John Kennedy, que fica em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (PR), foi encontrada ontem com registros de vandalismo. Imagens da câmera de segurança da instituição mostram que a destruição foi cometida por crianças.

Aberta a cada 15 dias para entregar materiais didáticos para que os alunos estudem de casa, professores encontraram o espaço em grande desordem ontem. Entre os prejuízos flagrados estavam livros destruídos, marca de tentativa de incêndio, extintor de incêndio acionado, além de outros equipamentos da estrutura avariados.

As crianças quebraram os vidros da porta para invadir o local. Segundo a RPC, afiliada da TV Globo, o local é vigiado por uma pessoa de segunda a sexta, mas, durante os finais de semana, é a Guarda Civil Metropolitana quem fica encarregada das rondas. A Prefeitura prometeu intensificar a segurança.

Um avô de um dos alunos que mora próximo ao local diz ter ouvido barulhos fortes no sábado, que achou que viessem da própria rua. "Era um barulho assim como se estivesse caindo um troço bem pesado, por isso pensei que era na rua do lado. Já estamos passando por esse negócio bem difícil no mundo inteiro [a pandemia de covid-19] e ainda ver uma negócio assim entristece", diz, à TV.

Em nota divulgada nas redes sociais pela Prefeitura de Colombo, o vice-prefeito e secretário municipal de educação Alcione diz que os culpados devem ser penalizados. "Tomaremos as medidas para solucionar essa situação e com as imagens das câmeras de segurança vamos tentar identificar quem cometeu esse crime. Contamos também com apoio da população para informações que levem até os culpados", afirma.

Já a diretora do local, Maria Tereza de Souza, defende a inocência das crianças: "São só crianças perdidas nesse mundo que precisam ser encaminhadas para ver se conseguimos melhorar a vida delas no futuro. Precisamos que alguém olhe para elas, que ensine valores a eles, que mostre que a escola é dinheiro de todo mundo", opinou ela, à reportagem local.

A Polícia Civil investiga o caso e ouvirá os responsáveis legais das crianças que vandalizaram a instituição de ensino.

Cotidiano