PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Pastor com 490 mil seguidores é preso suspeito de abuso sexual em BH

As delegadas Cristiana Angelini, Carolina Bechelany e Luisa Drumond anunciam a prisão de um pastor em Belo Horizonte acusado de abusar sexualmente de fieis - Divulgação/Policia Civil MG
As delegadas Cristiana Angelini, Carolina Bechelany e Luisa Drumond anunciam a prisão de um pastor em Belo Horizonte acusado de abusar sexualmente de fieis Imagem: Divulgação/Policia Civil MG

Do UOL, em São Paulo

10/06/2021 08h38Atualizada em 10/06/2021 10h53

Um pastor de 38 anos foi preso na última terça-feira (8) acusado de abuso sexual por mulheres que frequentavam os cultos de uma igreja em Belo Horizonte. Até o momento, quatro vítimas denunciaram o crime. Ele foi preso quando saía da igreja que administra, na avenida do Contorno, no bairro Floresta. Até o momento, quatro vítimas denunciaram o crime.

De acordo com a delegada Cristiane Angelini, da Delegacia Especializada em Combate a Violência Sexual, o pastor escolhia seus alvos entre mulheres que passavam por momentos de dificuldade e repetia a forma de cometer os abusos.

A primeira denúncia foi feita em 2018, de forma anônima, por uma vítima de 27 anos. Após o início das investigações, mais três mulheres, com idades entre 27 e 39 anos, também procuraram a delegacia para registrarem ocorrência. Por meio de denúncia anônima, outras vítimas narraram abusos, supostamente cometidos pelo pastor.

Ele convidava as vítimas para realizar orações em um ambiente reservado e, nesse local, orientava para que elas reproduzissem alguns atos de cunho sexual. Segundo as mulheres, ele pedia para que elas colocassem na boca o dedo polegar dele, simulando sexo oral e alegava que entidades só sairiam do corpo com aquela prática. Ainda segundo relato das vítimas, o pastor as abraçava pelas costas, com força, e que podiam sentir o órgão genital do homem.

Confrontado por uma das vítimas, o pastor a ameaçou e afirmou ter influência e amigos perigosos. Ele tem mais de 490 mil seguidores em uma rede social, "é considerado um religioso de referência e respeitado no círculo religioso. Todavia, o pastor usa de sua influência, credibilidade e fama para conseguir satisfazer sua lascívia de modo obscuro e fraudulento", afirma a delegada.

O homem foi encaminhado ao sistema prisional e pode responder por crime de violação sexual mediante fraude, que tem pena de dois a seis anos de prisão.

Cotidiano