PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

'Só pensava que iria morrer', diz refém usado como escudo em Araçatuba

Ruas do centro ficam interditadas após ataques a bancos em Araçatuba, interior de São Paulo - Riatoan Rodrigues
Ruas do centro ficam interditadas após ataques a bancos em Araçatuba, interior de São Paulo Imagem: Riatoan Rodrigues

Simone Machado

Colaboração para o UOL, em Araçatuba (SP)

30/08/2021 19h11

Usado de escudo humano por uma quadrilha que atacou três agências bancárias em Araçatuba, no interior de São Paulo, um refém disse ter sido bordado pelos criminosos quando voltava de moto de uma festa.

O UOL não vai identificar a vítima a pedido da polícia e do entrevistado, por medo de possíveis retaliações.

Ele contou que passava por uma rua próxima ao centro da cidade quando um criminoso armado com um fuzil fez com que ele descesse da moto e colocasse as mãos na cabeça.

Eu tinha ido levar um amigo embora e, quando voltava, ouvi uns barulhos, mas achei que eram fogos de artifício. De repente um homem me puxou da moto e mandou eu parar. Pensei que era uma blitz policial, mas depois vi que se tratava de assaltantes.
Refém do ataque a bancos em Araçatuba (SP)

Durante cerca de duas horas, ele e pelo menos mais dez pessoas ficaram sob o poder dos assaltantes. Havia homens, em sua maioria, e ao menos três mulheres. Os bandidos também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.

"As mulheres foram tratadas com um pouco de respeito, mas com os homens eles eram bastante agressivos", diz o refém.

Quando viram algum morador olhando pela janela do prédio, eles atiravam contra eles e na direção das vitrines de vidro das lojas para nos assustar e vermos que eles não estavam ali para brincar.
Refém do ataque a bancos em Araçatuba (SP)

Depois de explodirem três agências bancárias, os bandidos reuniram os reféns e os usaram como escudo humano para deixar o local.

Eles mandaram a gente ligar para a polícia para avisar que estávamos sendo usados como escudo, para eles não fazerem nada porque iriam nos matar. Foram momentos de pânico, a única coisa que eu pensava é que iria morrer.
Refém do ataque a bancos em Araçatuba (SP)

Além dos escudos humanos, alguns homens tiveram se pendurar nos capôs e tetos dos carros dos bandidos durante a fuga para assegurar que a polícia não atiraria contra eles.

"Meu filho está em choque. Ele precisou ser medicado, porque estava muito agitado. Ele foi obrigado a ficar em cima do capô do carro e se segurar com as mãos apenas. Por pouco, não caiu e morreu", disse a mãe de um dos reféns.

Fiquei mais de sete horas sem ter notícias dele, porque eles foram liberados na área rural e tiveram que voltar a pé.
Mãe de refém de assalto em Araçatuba (SP)

O filho é um dos que aparecem nos vídeos divulgados nas redes sociais em cima do capô. O rapaz levou um tiro de raspão na mão e precisou passar por atendimento médico, mas foi liberado em seguida e passa bem.

araçatuba rua - Riatoan Rodrigues - Riatoan Rodrigues
Rua interditada em Araçatuba, interior de São Paulo, após ataques a bancos
Imagem: Riatoan Rodrigues

Ele quis voltar para casa e levou 3 tiros

Entre as quatro vítimas hospitalizadas, está Lucas Nunes da Silva, 31, que foi atingido por três disparos quando voltava para casa. Os tiros atingiram o rosto, braço e abdômen da vítima, que está internada em estado grave.

Segundo a esposa dele, Evelyn Caroline do Nascimento Nunes, ele foi atingido por balas perdidas. Atingido enquanto dirigia uma moto, perdeu o controle e bateu na traseira de um carro.

"Ele tinha saído com os amigos quando começou o tiroteio. Alguns colegas ficaram escondidos no bar em que estavam e ele quis voltar para casa. Mas, no caminho, ele foi atingido por balas perdidas", explica a mulher.

Casados há dez anos, eles estavam brigados havia uma semana, por isso ela não estava com ele no momento do tiroteio. O casal tem um filho de sete anos e Lucas é pai de outro menino, fruto de um relacionamento anterior.

"Ele está internado na Santa Casa em coma. Está intubado e vai passar por cirurgia. O estado dele é bem grave", acrescentou a mulher.

Cotidiano