PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
11 meses

Chuva na Cantareira ficou abaixo da média em todos os meses de 2021

Área próxima ao reservatório do Rio Jacareí: em nenhum mês deste ano as chuvas atingiram a média esperada no Sistema Cantareira - TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO
Área próxima ao reservatório do Rio Jacareí: em nenhum mês deste ano as chuvas atingiram a média esperada no Sistema Cantareira Imagem: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

01/09/2021 16h45Atualizada em 01/09/2021 16h45

O volume de água no Sistema Cantareira, principal manancial responsável pelo abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo, está abaixo da média histórica desde o início de 2021. Segundo dados disponibilizados pela Sabesp, nos últimos oito meses as chuvas registradas não correspondem às médias pluviometrias dos outros anos. Atualmente, o Sistema Cantareira funciona com 37% do volume operacional.

Em janeiro, o índice pluviométrico era de 181,6 mm, mais baixo que o de 265,1 mm que é a média para a época. Fevereiro seguiu no mesmo patamar, que foi inclusive o recorde do ano. A média histórica para o mês, entretanto, é de 203,1 mm. Já em março, o sistema cantareira registrou 152,3 mm, contra uma média histórica de 176,2 mm.

A diminuição das chuvas foi sentida a partir de abril, quando a média do mês atingiu o drástico índice de apenas 9 mm. A média histórica do mês é de 83,1 mm. Já em maio o índice aumentou para 37,3 mm, e em junho caiu novamente para 26,1 mm. As médias dos meses respectivos são de 77,4 mm e 57,1 mm.

Em julho, as chuvas voltaram a encher o sistema cantareira, com 29,6 mm registrados no mês. Já em agosto, o índice caiu novamente, com 21,2 mm no mês. Ambos valores também estão abaixo das médias históricas da temporada, que tem como índice o valor de 45,3 mm para julho e 33,2 mm para agosto.

Há duas semanas, o Sistema Cantareira entrou em alerta após o índice armazenado ficar abaixo de 40%, quando começou a atuar com 39,2% do volume operacional. De acordo com a ANA (Agência Nacional das Águas), a captação de água do sistema é condicionada ao nível de armazenamento de água do manancial ao término de cada mês. A faixa é considerada normal quando o volume útil acumulado é igual ou maior que 60%. Abaixo de 40% o estado é considerado de atenção e entre os índices de 30% e 40%, a faixa é de alerta.

Na ocasião, a Sabesp informou ao UOL que não havia risco de desabastecimento. Em entrevista à Rádio Eldorado na quarta-feira passada (25), o diretor-presidente da companhia, Benedito Braga, descartou novamente a possibilidade de um racionamento e afirmou que mudanças nos padrões de consumo e na infraestrutura do Sistema Cantareira diferem o cenário atual da crise hídrica de 2014.

Atualmente, segundo Braga, a companhia retira quase 10 mil litros a menos do Sistema por segundo, graças à transposição de bacias hidrográficas e à redução de consumo da população. "Nós aprendemos com a crise hídrica", disse. "Antes, desperdiçava-se muita água, hoje temos outro comportamento".

*Com informações do Estadão Conteúdo

Cotidiano