PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Bombeiros resgatam última vítima de naufrágio de barco em MS

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

17/10/2021 15h23Atualizada em 17/10/2021 18h43

Após dois dias de buscas, o CBM-MS (Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul) resgatou o corpo da última vítima do naufrágio no rio Paraguai que matou sete pessoas na sexta-feira (15). Na ocasião, uma forte ventania virou o barco-hotel Carcará, que navegava com 21 pessoas na cidade de Corumbá.

Mergulhadores de Resgate do CBM-MS e da Marinha do Brasil acabam de localizar e resgatar a última vítima do naufrágio da embarcação no Rio Paraguai em Corumbá-MS."
Corpo de Bombeiros, em nota divulgada às 13h30

O corpo encontrado é de Fernandes Rodrigues Leão. Responsável pelo resgate, o capitão Rodrigo Alves Bueno contou no início da tarde que a dificuldade era encontrar o corpo em meio aos compartimentos da embarcação.

Pouco depois, a Marinha divulgou nota informando que as buscas foram encerradas e que "as causas e responsabilidades do acidente, sob o ponto de vista da Autoridade Marítima, serão apuradas por meio de Inquérito Administrativo sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN), a ser conduzido pela CFPN [Capitania Fluvial do Pantanal]."

Das sete vítimas, seis foram resgatadas ainda ontem, quatro da mesma família. Moradores da cidade goiana de Rio Verde, eles faziam parte de um grupo de 12 goianos que voltavam de uma pescaria quando foram surpreendidos pela ventania.

Os bombeiros resgataram 14 pessoas com vida.

barco - Corpo de Bombeiros/Reprodução - Corpo de Bombeiros/Reprodução
Barco-hotel virou em Mato Grosso do Sul
Imagem: Corpo de Bombeiros/Reprodução

As vítimas são:

  1. Thiago Souza Gomes, de 18 anos;
  2. Fernando Gomes de Oliveira, de 49 anos, pai de Thiago;
  3. Fernandes Rodrigues Leão (último corpo encontrado);
  4. Olímpio Alves de Souza, de 71 anos;
  5. Geraldo Alves de Souza, de 78 anos. Era irmão de Olímpio, sogro de Fernando Gomes e avô de Thiago;
  6. Vitor Celestino Francelino, de 64 anos, comandante da embarcação;
  7. Mauro Rodrigues Canavarro, de 49 anos, auxiliar de convés.

Vento forte atingiu embarcação

bombeiros - Divulgação - Divulgação
Bombeiros durante resgate de vítimas após naufrágio no rio Paraguai
Imagem: Divulgação

Segundo os bombeiros, toda a região de Corumbá foi atingida por rajadas de ventos fortes por volta das 14 horas de sexta-feira, "ocasionando diversas ocorrências".

O barco de esporte e recreio naufragou a cerca de cinco quilômetros do Porto Geral de Corumbá, em um trecho do rio Paraguai atingido por ventos de 45 km/h.

barco - Corpo de Bombeiros/Divulgação - Corpo de Bombeiros/Divulgação
Barco Carcará, que naufragou no rio Paraguai
Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Algumas regiões do estado foram atingidas por temporais com trovoadas e ventos que ultrapassaram os 90 km/h. A chegada de uma frente fria ao estado causou um temporal de areia que "transformou" o dia em noite em várias cidades do estado.

O céu apareceu tomado por um tom escuro de marrom. Vindos da Patagônia, a chuva e os fortes ventos, que chegaram a 94,5 km/h, derrubaram a temperatura de 33 para 18 °C em Campo Grande. Na região do aeroporto da cidade, a visibilidade foi reduzida para 800 metros por causa da poeira.

As tempestades de areia ganharam atenção nas últimas semanas ao atingirem inúmeras cidades do interior de São Paulo. Depois de um episódio no início de outubro, na tarde de ontem moradores registraram as grandes nuvens de poeira em Ribeirão Preto, Barretos, Batatais, Pirassununga, São Joaquim da Barra, Pitangueiras, Sertãozinho, Serrana, Brodowski, Jardinópolis e Colômbia.

De acordo com o Climatempo, a frequência do fenômeno deve aumentar nos próximos anos. Isso porque as tempestades de areia estão sendo estimuladas pelos períodos de estiagem cada vez mais intensos no Sudeste e Centro-Oeste.

O site de meteorologia atribui a força das tempestades de 2021 a uma sequência ruim de períodos chuvosos, com anos seguidos de precipitação abaixo da média, que deixaram o solo muito seco. Consequentemente, a terra que está "solta" é facilmente levantada pelos fortes ventos.

Cotidiano