PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Por que está fazendo frio em outubro? O fenômeno La Niña pode explicar

Movimentação de pessoas na Avenida Paulista, no centro de São Paulo, nesta terça-feira, 19 de outubro de 2021, com baixas temperaturas na cidade - PAULO MARQUES/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Movimentação de pessoas na Avenida Paulista, no centro de São Paulo, nesta terça-feira, 19 de outubro de 2021, com baixas temperaturas na cidade Imagem: PAULO MARQUES/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

19/10/2021 15h06

A chegada da primavera não trouxe temperaturas mais amenas para o país. Nos últimos dias, diversas regiões enfrentaram chuvas intensas e uma queda grande nas temperaturas, a ponto de os paulistanos enfrentaram máxima de 16 ºC no meio da tarde de hoje. A mudança de tempo coincide com o fenômeno La Niña, que começou nos últimos dias, e uma ocorrência de ventos que atingem diretamente o Brasil, do chamado padrão negativo na Oscilação Antártica. Ambos favoreceram a alta frequência de frentes frias na região e, consequentemente, as baixas temperaturas.

Segundo o MetSul, o padrão na Oscilação Antártica deverá se tornar positivo na segunda quinzena do mês, tornando-se um fator a menos para a diminuição das temperaturas. No entanto, a La Niña deve persistir com o tempo instável no país.

Por aqui, o fenômeno faz com que os ventos alísios se intensifiquem e as águas superficiais do Oceano Pacífico Equatorial se resfriem. Isso causa chuvas mais abundantes na Amazônia e aumento significativo de precipitação no Nordeste. No entanto, o Sul geralmente tem períodos de seca, enquanto os efeitos no Sudeste e Centro-Oeste são imprevisíveis.

Segundo prevê o InMet (Instituto Nacional de Meteorologia), os efeitos do La Niña devem ser sentidos moderadamente durante a primavera em parte do país, podendo afetar a regularidade das chuvas, principalmente na faixa centro-norte. "Estamos esperando (a ocorrência do) La Niña durante a primavera, mas (o fenômeno) deverá ser de curta duração e não muito intenso", disse Márcia dos Santos Seabra, coordenadora de Meteorologia Aplicada, Desenvolvimento e Pesquisa do Inmet, à BBC.

Sendo assim, as chuvas e o tempo frio ainda não têm data definitiva para acabar, mas devem dar uma trégua nesta semana em diversas regiões do país. Depois do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil passarem por uma semana de instabilidade, a previsão é de que o sol abra nos próximos dias e o fim de semana já seja mais estável.

De acordo com a Climatempo, um grande sistema de alta pressão atmosférica passa a atuar próximo à costa da região sul, dificultando que novas frentes frias avancem para as demais áreas do país. Desta forma, as chuvas devem dar uma trégua no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, oeste do Paraná e Mato Grosso do Sul.

O sol volta a predominar em todo o estado de Mato Grosso do Sul e na região de Cuiabá. Já em Brasília, há risco de chuvas, mas intercaladas com períodos de mormaço. Nas demais áreas, as precipitações não estão descartadas, mas de forma mais isolada.

Na quinta-feira (21), a tendência é de que volte a chover forte em várias áreas. No entanto, o sol ainda deve aparecer entre as nuvens nestas regiões e também no interior de São Paulo. Já na sexta-feira (22), as áreas de instabilidade vão perdendo a força - mas não por muito tempo.

As áreas do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul e sul de Goiás e Minas Gerais terão sol forte e tempo firme. Na capital paulista, a previsão é de que tenham chuvas mais volumosas durante a semana, que podem provocar transtornos como enchentes e alagamentos. Na sexta (22) a chuva dá uma trégua na cidade, mas retorna na madrugada do sábado (23) para o domingo (24).

Os próximos dias serão frios para os paulistanos. A máxima entre hoje e amanhã não deve passar dos 17ºC. Na quinta (21), o dia começa com 13ºC e a máxima é de 19ºC. No sábado, os termômetros podem chegar até 28ºC, mas no domingo as temperaturas já retornam a cair moderadamente.

Apesar da trégua, segundo a MetSul, um reforço de ar frio deve passar entre hoje e amanhã (20) pelo Rio Grande do Sul e vai prolongar o período de noites frias no estado. Até sexta (22), o sul gaúcho e a região de Bagé devem ter mínimas abaixo de 10ºC. O calor na região deve retomar apenas em novembro - mas não muito. A previsão é que o mês não registre grandes valores nos termômetros.

Em Porto Alegre, o sábado deve ter temperaturas entre 15ºC e 24ºC. Em Florianópolis, o fim de semana varia entre 17ºC e 27ºC enquanto Curitiba deve registrar mínimas de 12ºC e 13ºC e máximas de 26ºC e 38ºC, no sábado e domingo respectivamente. Campo Grande tem mínima de 19ºC e Máxima de 34ºC no sábado (23) e Cuiabá mínimas de 25ºC e máxima de 36ºC.

Cotidiano