PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Suíço é morto a tiros em Goiás por causa de dívida de R$ 12 mil, diz PM

23.out.2021 - Suspeito foi preso e confessou o crime, segundo a PM - Divulgação/Polícia Militar de Goiás
23.out.2021 - Suspeito foi preso e confessou o crime, segundo a PM Imagem: Divulgação/Polícia Militar de Goiás

Pedro Paulo Couto

Colaboração para o UOL, em Goiânia

23/10/2021 20h46

Um homem de nacionalidade suíça, de 59 anos, identificado como Aristo Deliyannidis, foi morto a tiros após ser sequestrado por causa de uma dívida de R$ 12 mil, segundo a PM (Polícia Militar). O crime aconteceu ontem na cidade de Goianésia (GO), a cerca de 160 km de Goiânia. O suspeito, de 27 anos, foi preso em flagrante logo após o crime.

Segundo a PM, uma equipe do Batalhão Rural realizava um cadastro em uma região de chácaras da cidade quando ouviu um barulho semelhante ao de um carro derrapando e, sem seguida, disparos de arma de fogo. Os militares então viram o suspeito e correram atrás dele. O homem adentrou uma mata e chegou atirar contra os PMs, que revidaram, segundo a própria corporação. Ninguém se feriu. Em seguida, o homem jogou o revólver no chão, se rendeu e confessou o crime.

Deliyannidis levou três tiros e chegou a ser socorrido, mas morreu após dar entrada no Hospital Municipal.

O suspeito e o revólver foram encaminhados à Delegacia de Goianésia. De acordo com a PM, o crime ocorreu por causa de uma dívida referente a um veículo.

Segundo a ocorrência da PM, o suspeito estava sozinho. Ele teria saído da cidade de Anápolis e, em Goianésia, rendido o suíço com a arma. Eles teriam seguido no carro da vítima pela zona rural para não chamar atenção, mas em determinado momento da viagem, Deliyannidis teria reagido e chegado a puxar o freio de mão, quando então foi atingido com tiros na cabeça.

O UOL entrou em contato com a delegacia de Goianésia na noite de hoje, mas as ligações não foram atendidas. Como o nome do suspeito também não foi divulgado, não foi possível localizar sua defesa. O espaço segue aberto para um posicionamento.

Cotidiano