PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Queda de meteoro ilumina céu de Cuiabá e ofusca lua cheia; veja

Meteoro explode e ilumina céu de Cuiabá - Clima ao Vivo/Divulgação
Meteoro explode e ilumina céu de Cuiabá Imagem: Clima ao Vivo/Divulgação

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Balneário Camboriú (SC)

23/10/2021 15h51Atualizada em 23/10/2021 21h52

A queda de um meteoro iluminou o céu na madrugada de ontem entre as cidades de Cuiabá e São José dos Quatro Marcos, no Mato Grosso. O fenômeno foi captado pela Brazilian Meteor Observation Network (rede brasileira de observação de meteoro, ou Bramon), grupo que monitora meteoros por 102 operadores de 159 estações em 20 estados, e do Clima ao Vivo, um sistema de câmeras espalhadas pelo país. O clarão foi registrado às 2h22, horário de Brasília.

Conforme o diretor técnico da Bramon, Marcelo Zurita, a explosão ocorreu a 38 km de altitude, próximo de Cáceres (MT), a 217 km de Cuiabá. O clarão foi tão intenso que ofuscou a lua cheia. Nesses casos, o meteoro é chamado de superbólido. A explosão é provocada pela passagem em alta velocidade do fragmento de rocha pela atmosfera da terra.

"À medida que o meteoro vai aquecendo, vai ocorrendo vaporização das camadas mais externas [da rocha] e, à medida que vai passando pela atmosfera, ele vai encontrando atmosfera mais intensa. Com isso, vai cada vez mais vai consumindo e gerando calor, até acabar explodindo", explica Zurita ao UOL.

Ainda não se sabe se o meteoro foi totalmente consumido com o ingresso na atmosfera terrestre ou se algum fragmento atingiu o solo. Também não se sabe com precisão o tamanho do objeto antes da explosão, o que ainda precisa ainda calculado. "A tendência é que a massa não tenha sido muito grande", diz Zurita.

Segundo ele, há mais de um ano não se flagrava no Brasil um superbólido como esse, com clarão tão intenso. A última vez ocorreu em 1º de outubro de 2020, iluminando o céu do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Muitos se assustaram com o fenômeno, que foi captado por câmeras de astrônomos profissionais e amadores do Sul do país e por um satélite. Na época, a Bramon estimou que se tratava de um objeto com entre três e dez toneladas de massa.

Na semana passada, a Bramon recebeu a informação de que outro superbólido foi flagrado na fronteira entre o Brasil e o Uruguai. Porém, o fenômeno ocorreu durante o dia e em um local onde não há câmeras. "Provavelmente foi tão intenso quanto este último."

Cotidiano