PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

'Superbebê' de 7 kg e 61 cm nasce no Pará e surpreende pais e médicos

Estefany Araújo Evangelista nasceu em 15 de novembro com 7,038 kg e 61 cm, na Santa Casa, em Belém - Reprodução/ Santa Casa do Pará
Estefany Araújo Evangelista nasceu em 15 de novembro com 7,038 kg e 61 cm, na Santa Casa, em Belém Imagem: Reprodução/ Santa Casa do Pará

Do UOL, em São Paulo

01/12/2021 19h54Atualizada em 01/12/2021 21h21

O casal de agricultores Francilene do Espírito Santo Araújo e Paulo César Santana Evangelista, do Igarapé Mocoonzinho em Acará, no nordeste do Pará, foi surpreendido com o nascimento da filha Estéfany Araújo Evangelista, no dia 15 de novembro. O "superbebê", denominação para recém-nascidos com mais de 4 kg, nasceu com pouco mais de 7 quilos e 61 centímetros.

"A médica disse que a minha filha precisa ficar mais um pouco aqui [porque] nasceu muito grande. Lá em casa, souberam que ela é grandona pelas fotos do celular", falou a mãe, em comunicado da Santa Casa nesta semana. Ela nasceu aos nove meses e funcionários do hospital, que tem mais de 100 anos, acreditam que ela seja a maior criança nascida ali.

foto 1 - Reprodução/ Santa Casa do Pará - Reprodução/ Santa Casa do Pará
Estefany é filha dos agricultores Francilene do Espírito Santo Araújo e Paulo César Santana Evangelista, que moram em Acará (PA)
Imagem: Reprodução/ Santa Casa do Pará

Na sua primeira gestação, Francilene fez somente uma consulta pré-natal. Ao UOL, a assessoria da Santa Casa de Belém informou hoje que Estefany segue internada na UCI. Seu estado de saúde é estável e a equipe médica segue acompanhando sua evolução, devido ao peso e a um quadro de hipoglicemia. Ainda não há previsão de alta.

"Com esse peso, acima de 7 kg, é preciso investigar as causas que estimulam todo esse crescimento", afirmou a médica pediatra Vilma Hutim. Segundo ela, o peso normal de um bebê ao nascer é de 2,5 kg até 3,999 kg. De acordo com levantamento da Santa Casa, é possível que a criança paraense seja um dos 10 maiores bebês já nascidos no mundo.

foto 2 - Reprodução/ Santa Casa do Pará - Reprodução/ Santa Casa do Pará
A 'superbebê' do Pará segue internada devido ao seu peso e também a um quadro de hipoglicemia que ela apresentou
Imagem: Reprodução/ Santa Casa do Pará

Estefany chegou a apresentar leve melhora, mas segue tratamento com uso de antibiótico. Ela também está recebendo soro devido ao episódio de hipoglicemia, além de ter passado por uma cardiologista que receitou medicação. O "superbebê" vai precisar de acompanhamento desse profissional após ir para casa. "Para receber alta, a gente precisa terminar o tratamento de antibiótico", salientou a médica Olívia Mota.

Olívia disse que Francilene desenvolveu diabetes gestacional durante a gestação. "Mães que têm diabetes gestacional dão à luz crianças muito grandes, normalmente são bebês maiores que quatro quilos, e não tão grandes quanto a nossa Estefany, que surpreendeu pelo peso que nasceu. Uma das prováveis causas da Estefany ter nascido tão grande foi a diabetes gestacional da mãe".

foto 3 - Reprodução/ Santa Casa do Pará - Reprodução/ Santa Casa do Pará
Francielene recebe visita da sua mãe, Benedita Bastos, na Santa Casa; ela já recebeu alta
Imagem: Reprodução/ Santa Casa do Pará

'Xodó da família'

A mãe de Francilene e avó da bebê, Benedita Bastos, de 58 anos, diz que está animada com a chegada da neta e não vê a hora de toda família conhecê-la. "Ela é a primeira neta e estamos todos muito felizes com a chegada dela. Infelizmente ainda não deu para ela ir até a nossa localidade. Estamos torcendo para que ela saia logo, pois lá em casa todo mundo está esperando por Estefany".

A expectativa para a chegada dela se estende para a comunidade em que vivem em Acará. O pai disse que eles fizeram campanha de oração pela vida da bebê e informou que o enxoval da criança foi completamente perdido. "Não deu nela pelo tamanho. Agora estamos sem as roupas ideais para nossa filha. [...] Temos que fazer um novo enxoval que atenda o seu tamanho", relatou o pai.

"Não vejo a hora dela chegar lá em casa, os avós possam vê-la e os dois irmãos dela, que tive no primeiro casamento. Agora Deus nos deu a Estefany. Estou muito feliz por isso. Ela será o xodó da família. O que mais quero é vê-la em casa. A expectativa agora é cuidar dela, vê-la crescer e educar que é um dos primeiros caminhos de tudo", concluiu.

Cotidiano