PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Motorista de aplicativo é preso por furtar casas entre as corridas em SC

Imagem ilustrativa - Jackson David/Pixabay
Imagem ilustrativa Imagem: Jackson David/Pixabay

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

04/12/2021 15h47

Um motorista de aplicativo foi preso pela Polícia Civil de Pomerode, em Santa Catarina, após uma série de furtos a residências em cidades da região do Médio Vale do Itajaí, a 150 km de Florianópolis.

Responsável pela investigação, o delegado Antônio Lúcio Antunes Godoi afirmou ao UOL que o motorista de 25 anos alugava veículos diferentes toda semana para fazer as corridas por aplicativo.

Entre uma corrida e outra, porém, ele estacionava o veículo para invadir casas em pelo menos seis cidades da região: Canelinha, Timbó, Ascurra e Pomerode.

Os principais objetos roubados, diz Godoi, "são fáceis de revender, como joias, eletrodoméstico, equipamentos eletrônicos, televisões".

Após o relato de alguns moradores, a polícia identificou um suspeito que repetia sempre o mesmo ritual: "Ele estacionava o carro 20 minutos em um determinado lugar. Em pouco tempo surgia um boletim de ocorrência indicando furto na mesma região".

Por meio da placa do carro, os investigadores chegaram a uma empresa especializada em locação de veículo para motoristas de aplicativo, que confirmou os dados do suspeito.

"Conseguimos autorização judicial para que a empresa do aplicativo fornecesse as locações e os dados do motorista", diz o delegado. "A gente cruzou essas informações com interceptações telefônicas e boletins de ocorrência. Apenas em nossa microrregião foram oito furtos."

Para o delegado, trata-se de uma organização criminosa que atua na região desde 2019 e que, agora, começa a ser desmantelada. Ao delegado, o suspeito confessou o crime.

"Ele confessou informalmente", diz. "Ainda não peguei o depoimento porque preciso ver o que há no celular dele."

Pelo que pôde ver até agora, afirma, "será tranquilo comprovar o envolvimento dele".

Mas vamos retirar os dados e analisar: deve aparecer os comparsas, as casas em que entrou e as pessoas que compraram os objetos."
Antônio Lúcio Antunes Godoi, delegado

O suspeito seguirá preso preventivamente por tempo indeterminado.

Cotidiano