PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Homem dá contragolpe em criminoso pelo WhatsApp: 'Disse que ia ajudar'

Caio Santana

Do UOL, em São Paulo

13/12/2021 19h37Atualizada em 14/12/2021 13h04

Felipe* (nome fictício), de 35 anos, trabalha como gerente de vendas e no final da manhã desta segunda-feira foi surpreendido em sua conta no WhatsApp com um golpista que se passava por um tio dele. Por não ser a primeira tentativa de golpe que tentaram lhe aplicar, o homem estava mais atento e decidiu dar um contragolpe: fez a pessoa colocar R$ 10 em créditos em sua linha de celular.

"Já tinham avisado no grupo da família [de alguém se passando por ele] e na mesma hora chegou a mensagem", disse ele, em entrevista ao UOL. "A ideia [do contragolpe] não é original minha, vi em algum grupo de WhatsApp ou no Instagram há algum tempo já".

Pouco tempo depois do contato, Felipe decidiu alertar amigos e conhecidos em sua conta no Instagram com um tutorial de "Como revidar o golpe do Pix no WhatsApp".

A pessoa havia solicitado um depósito de R$ 2.432,00, via transferência Pix, alegando dificuldades de realizar ela própria o depósito e que seu aplicativo voltaria a funcionar somente no dia seguinte. Com intuito de ludibriar o golpista, o gerente de vendas esperou para pedir recarga no seu celular, até convencê-lo de que ele não tinha dados de internet móvel.

"Eu não pedi logo de cara. Mandei dois áudios para o golpista me mostrando preocupado com a situação e para passar mais 'veracidade' na minha versão. Disse que ia ajudar, mas que só conseguiria fazer de noite quando chegasse em casa, porque estava sem crédito no celular", detalha ele.

foto 1 - Reprodução/ Instagram - Reprodução/ Instagram
Gerente de vendas publicou tutorial de como não cair em golpe no WhatsApp
Imagem: Reprodução/ Instagram

A estratégia foi usada pois o acesso ao WhatsApp é ilimitado, dependendo das operadoras, e, para Felipe entrar no aplicativo do banco e fazer a suposta transferência, ele precisaria de créditos para ativar seu pacote de dados móveis.

"Sugeri que, se fosse urgente, ele poderia fazer a recarga no meu celular e eu adicionaria os R$ 10 no Pix", conta. A estratégia deu certo. Ao final do contragolpe, o gerente de vendas agradeceu a recarga e a conversa não teve mais continuidade. O golpista bloqueou o contato.

foto 2 - Reprodução/ Instagram - Reprodução/ Instagram
Ao final do contragolpe, o gerente de vendas agradeceu a recarga de celular que o golpista fez para ele
Imagem: Reprodução/ Instagram

Tentativa de golpe estrangeira

Na semana passada, Felipe afirma que também tentaram aplicar um golpe com um telefone estrangeiro e uma pessoa que falava em inglês, porém "arrastado para o francês". "Ligou um número da França e a pessoa se identificava como o advogado do chefe do meu chefe", relata ele.

Segundo ele, o golpista disse querer fazer negócios com a empresa multinacional em que ele trabalha aqui no Brasil. Contudo, a aquisição "precisava ser feita de maneira discreta".

O golpista solicitou um depósito de US$ 20 mil dólares (cerca de R$ 113 mil). Felipe não fez mais contato e avisou o departamento de segurança da empresa em que trabalha.

A equipe relatou que o golpe está relativamente comum. "Ora se passando pelo CEO, ora pelo chefe de departamento. Vários golpes acontecendo", avisaram a ele.

Como se proteger

Tilt, canal de ciência e tecnologia do UOL, já mostrou outras trollagens em golpistas pelo WhatsApp e apontou dicas de segurança e o que fazer diante de situações semelhantes que você pode ver clicando aqui. Confira algumas delas a seguir.

Aumentando a segurança: O WhatsApp sugere algumas medidas de segurança para evitar o roubo de contas:

  • Nunca compartilhar código de confirmação do WhatsApp recebido por SMS com amigos ou familiares.
  • Desconfie de pessoas pedindo dinheiro via mensagem e sempre ligue para confirmar antes de fazer qualquer tipo de transferência.
  • Não abrir links desconhecidos recebido via SMS.
  • Cuidado ao abrir links recebidos. O golpe em que se envia uma mensagem chamativa com um link malicioso é chamado de phishing. Os golpistas costumam usar falsas promoções, atualizações de cadastro, ofertas de emprego e notícias sobre celebridades para atrair a vítima. Ao clicar, um programa espião, por exemplo, pode ser instalado no celular para obter informações pessoais, como dados bancários.

Confirmação em duas etapas: Ela funciona como uma camada a mais de segurança e pode ser ativada nas configurações do aplicativo.

  • Para isso, vá em Configurações > Conta > Confirmação em duas etapas.
  • Crie um PIN (conjunto de códigos numéricos) que será solicitado de tempos em tempos.
*Nome real foi preservado a pedido da fonte para resguardar suas identidade e segurança

Cotidiano