PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Família soterrada em Brumadinho foi a Minas após morte de parente

Família estava a caminho de aeroporto e tomou um desvio após interdição de rodovia em Brumadinho - Arquivo Pessoal
Família estava a caminho de aeroporto e tomou um desvio após interdição de rodovia em Brumadinho Imagem: Arquivo Pessoal

Pietra Carvalho

Do UOL, em São Paulo

11/01/2022 19h41Atualizada em 11/01/2022 22h43

A família de cinco pessoas que morreu soterrada dentro de um carro, morava em Mato Grosso do Sul e viajou até Minas Gerais após a morte de um parente pouco mais de uma semana antes.

O pai, Henrique Alexandrino, 41, a mãe, Deisy Lúcia Cardoso Alexandrino Santos, 40, e os filhos Vitor Cardoso Alexandrino Santos, 6, Ana Alexandrino Santos, 3, além de Geovane Vieira, 42, foram encontrados na tarde de ontem no condomínio Retiro do Chalé, em Brumadinho, após dois dias desaparecidos.

De acordo com o secretário, a família saiu de Paula Cândido, na Zona da Mata mineira, e seguia para o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, levados por Geovane, que conduzia o veículo.

Ao se dar conta do bloqueio na BR-040, provocado pelo transbordamento da barragem da Vallourec, na mina do Pau Branco, o motorista teria optado pelo caminho alternativo, que o levou até o Retiro do Chalé, condomínio de luxo no entorno de BH, onde aconteceu o acidente.

"Eles vieram em família pra passar o final de ano, na verdade, a Deise, esposa do Henrique, tinha perdido uma irmã, que faleceu há praticamente uma semana, ela veio também pra dar assistência à família e agora já estava retornando para Mato Grosso do Sul. Onde eles estavam residindo e trabalhando", contou José Geraldo Alves, primo de Henrique, à TV Globo Minas.

Vizinhos avistaram carro e corpo

Na tarde de ontem, moradores do condomínio em que o acidente foi registrado souberam da morte da família.

"Ficamos com muito medo. É triste de qualquer forma, mas foi um pandemônio nos grupos (de vizinhos). Todos ficamos assustados pensando que poderia ser algum morador, amigo ou parente. De toda forma, estamos chocados com a notícia, nunca aconteceu nada assim por aqui", lamentou a publicitária Vivian Coelho, que tem casa no Retiro do Chalé.

O último contato das vítimas com os familiares ocorreu pelo telefone, pouco tempo antes da tentativa do desvio.

O UOL apurou com moradores que na localidade da tragédia há um córrego de acesso que, mesmo em dias normais, já é bastante complicado - e que ficou ainda pior, com muita lama, após o transbordamento da barragem e as chuvas do final de semana.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado inicialmente, a família morava em Mato Grosso do Sul e não Mato Grosso. O texto foi corrigido.

Cotidiano