PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses

Médicos de SP suspendem greve, mas mantêm ato em frente à prefeitura

Movimentação na UBS Santa Cecília, centro de São Paulo; casos de covid-19 voltam a subir - Lucas Borges Teixeira /UOL
Movimentação na UBS Santa Cecília, centro de São Paulo; casos de covid-19 voltam a subir Imagem: Lucas Borges Teixeira /UOL

Mariana Durães

Do UOL, em São Paulo

18/01/2022 22h24

O Simesp (Sindicato dos Médicos de São Paulo) decidiu suspender a greve marcada para esta quarta-feira (19). A decisão foi tomada em assembleia realizada com a presença de mais de 200 profissionais, na noite de hoje, após uma liminar do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) proibir a paralisação.

No entanto, o grupo decidiu manter um protesto em frente à prefeitura de São Paulo. O ato deve acontecer às 15h de amanhã.

O sindicato entende que a ação da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) foi "arbitrária e um cerceamento do direito de greve". Além disso, informou que ainda não foi notificado oficialmente sobre a decisão, e soube apenas através da imprensa e criticou as ações do poder municipal.

"A suspensão da paralisação foi aceita tão somente pela possibilidade de abertura de negociação das reivindicações das médicas e médicos atuantes nas UBS, sob intervenção do Ministério Público, conforme a liminar", diz o comunicado do Simesp, que considera a data fixada para audiência de conciliação, 27 de janeiro, "um prazo exagerado e incompatível" com o cenário de aumento dos casos de covid-19 e sobrecarga dos trabalhadores.

A categoria alega que os profissionais de saúde estão sofrendo de exaustão diante da disparada da covid-19 provocada pela variante ômicron e pelo afastamento de colegas contaminados pelo vírus. Os profissionais querem que a prefeitura contrate imediatamente mais equipes para atendimento de síndromes gripais e garanta condições mínimas de trabalho, entre outras demandas.

Segundo o sindicato, reunião realizada na segunda-feira (17) com o Secretário de Saúde da capital, Edson Aparecido, e o secretário adjunto, Luiz Carlos Zamarco, terminou seu acordo porque as autoridades não apresentaram "nenhuma resposta capaz de responder às necessidades dos trabalhadores das Unidades Básicas de Saúde (UBS)".

A SMS (Secretaria Municipal de Saúde), porém, rebate a informação e diz já ter realizado 280 contratações desde dezembro, além de ter autorizado outras 700.

De acordo com o sindicato, mais de 3.193 profissionais de saúde de São Paulo tinham sido afastado do trabalho por covid-19 ou síndrome gripal até 13 de janeiro, o que representa um salto de mais de 100% em relação à semana anterior.

Cotidiano