PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses

Avião com 211 brasileiros deportados dos EUA pousa em MG; 90 são crianças

A política de deportação dos EUA começou a ser intensificada em 2019 pelo então presidente Donald Trump - Getty Images/iStockphoto
A política de deportação dos EUA começou a ser intensificada em 2019 pelo então presidente Donald Trump Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

26/01/2022 14h23Atualizada em 27/01/2022 06h23

Um avião com 211 brasileiros deportados dos Estados Unidos, 90 dos quais com até 10 anos de idade, pousou hoje, por volta das 13h25, no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins (MG). A informação foi confirmada pela BH Airport, concessionária que administra o terminal. O voo saiu do estado americano do Arizona.

Trata-se do segundo voo de deportados de 2022. Minas Gerais é um dos estados brasileiros com maior número de pessoas que tentam entrar nos Estados Unidos de forma irregular pelo México.

A Polícia Federal informou à reportagem que busca apurar como essas crianças saíram do Brasil, "bem como verificar as condições às quais os menores foram submetidos durante esse processo".

"O Juizado da Infância e da Juventude de Pedro Leopoldo/MG acompanhou o desembarque, para dar o suporte necessário", disse a corporação, em nota.

A política de deportação dos EUA começou a ser intensificada em 2019 pelo então presidente Donald Trump, que endureceu a legislação contra imigrantes ilegais.

No ano passado, primeiro ano de mandato do democrata Joe Biden na presidência do país, também foram registrados voos com deportados que chegaram ao Brasil. Biden chegou à Casa Branca com uma série de reformas imigratórias, mas algumas tropeçaram no Congresso.

O número de pessoas interceptadas cruzando a fronteira sul desde a posse de Biden subiu para 1.855.023, das quais 1.387.705 partiram de El Salvador, Guatemala, Honduras e México, segundo dados oficiais dos EUA.

Biden atribui isso à pobreza, violência, corrupção e aos efeitos das mudanças climáticas, e lançou um programa de investimentos para enfrentar o problema por meio de oportunidades econômicas.

Uma reportagem publicada em dezembro pelo jornal Folha de S.Paulo mostrou que brasileiros deportados dos Estados Unidos relatam humilhação, racismo e maus-tratos sofridos durante as tentativas de entrar no país.

Em nota ao UOL, o Itamaraty informou que, por meio das repartições consulares brasileiras nos Estados Unidos, "presta toda a assistência consular cabível aos cidadãos brasileiros detidos naquele país".

"O governo brasileiro foi notificado do voo e acompanha com atenção seus desdobramentos. A realização de tais voos tem como objetivo primário reduzir, para os cidadãos brasileiros, o tempo de permanência em centros de detenção nos Estados Unidos", acrescentou a pasta.

Ainda segundo o Itamaraty, "o processo de deportação ocorre integralmente sob as leis e a jurisdição soberana dos Estados Unidos".

* Com informações da AFP

Cotidiano