PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Petrópolis: Passageira escapa por janela; 'Homem com perna mecânica ficou'

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

17/02/2022 18h04

Passageira de um dos ônibus arrastados pela enxurrada na última terça-feira (15) em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, a manicure Karine Matos Gomes, 37, conseguiu se salvar escapando pela janela. Ao lado do tio, contou com a ajuda de uma escada, apoiada no muro de um condomínio, para sair do veículo. Ao UOL, ela contou que ainda não ser capaz de dormir ao lembrar das pessoas que não conseguiram sair do veículo, entre elas um passageiro que usava perna mecânica.

Mais de cem pessoas morreram na cidade por causa do temporal e ao menos 116 estão desaparecidas, segundo a Polícia Civil. Em apenas três horas, choveu mais do que o previsto para todo o mês de fevereiro. Há mais de 370 desabrigados, de acordo com o governo do estado.

Imagens que circulam pela internet mostram dois ônibus sendo arrastados na inundação. Um deles aparece com a frente toda submersa e outro tombado, com pessoas saindo pela janela e ficando em pé na lataria. Karine, que estava a bordo do 465, conta que, assim como o tio, conseguiu deixar o coletivo antes que ele virasse.

Moradora do bairro Quitandinha, Karina relatou horas de desespero. Confira o depoimento:

"Era meu dia de folga. Estava no centro resolvendo umas coisas e começou a chover muito. Encontrei o meu tio e pegamos logo um ônibus para casa. Quando chegamos na [rua] Washington Luís [bairro Duas Pontes] já estava tudo alagado. O ônibus não passava. Não tinha como atravessar. Ficamos parados, dentro do ônibus."

A água batia com força na porta do ônibus e entrava. Um menino chegou a fazer força para segurar a porta e impedir a entrada da água. Ele até machucou o braço. O ônibus começou a encher. Queríamos que todos ficassem no ônibus fazendo peso para impedir que ele saísse do lugar. Todo mundo acreditou que a água fosse baixar, mas não baixou.

karine, petropolis - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Karine Matos Gomes, 37, passageira do ônibus 465, arrastado por enxurrada
Imagem: Arquivo pessoal

Conforme o ônibus enchia, as pessoas ficavam cada vez mais apavoradas. Outro ônibus apareceu e veio arrastando o nosso. A minha sorte é que em um momento o meu ônibus ficou próximo a um muro de condomínio. Nos ajudaram com uma escada. Ela foi apoiada na janela e no muro.

Eu e meu tio pulamos pelo muro para dentro do condomínio. Muita gente não quis arriscar. A água batia com muita força na escada. Eu fiquei com muito medo. Acho que umas dez pessoas só saíram. Depois, lá dentro do condomínio a gente ouvia os gritos das pessoas pedindo ajuda. Eu não tenho conseguido dormir. As imagens daquele ônibus não saem da minha cabeça. Queria ter ajudado mais gente, mas não consegui.

Tinha um rapaz no ônibus que tinha uma perna mecânica. Ele não conseguiu sair. Fiz amizade com ele no ônibus e ele me falou: 'não posso sair, minha perna é mecânica'. Eu tentei acalmá-lo dizendo para ficar tranquilo e que tudo ia dar certo. Eu acabei saindo e ele não.

Não sei quantas pessoas tinham no ônibus no total. Não sei o que aconteceu com elas. Sei que esse rapaz não sobreviveu. Eu não penso em outra coisa".

Testemunhas gravaram as cenas

Um vídeo gravado por testemunhas registrou momentos após a manicure deixar o veículo. As imagens mostram passageiros tentando sair de dois ônibus ilhados em meio à inundação causada pelo temporal, que arrastou os veículos para dentro de um rio.

As imagens gravadas no momento do desastre mostram pessoas saindo pelas janelas dos veículos e se apoiando no topo dos ônibus, que estavam instáveis por conta da movimentação da enxurrada. Alguns dos passageiros ainda decidiram pular na água e nadar à procura de outro local. Nas redes sociais, o sindicato não comentou o caso e informou na manhã de ontem que as empresas de ônibus em Petrópolis estão "restabelecendo a operação de dezenas de linhas".

"Os coletivos voltam a circular em caráter emergencial, com redução de horários e frota reduzida, em razão de toda a dificuldade viária e a falta de colaboradores, que não conseguiram chegar ao trabalho, principalmente, no primeiro distrito que é a região mais atingida pelas chuvas", afirmou o comunicado emitido pelo órgão.

Apesar do serviço limitado, não há previsão para que o sistema de transporte da cidade volte a funcionar normalmente, destacou o Setranspetro, já que ele foi "gravemente atingido pela tempestade e vai precisar de tempo e recursos para se restabelecer".

Família reconhece vítima por vídeo

Um rapaz de 17 anos, identificado apenas como Gabriel, foi reconhecido pela família como um dos passageiros dos ônibus. Donizete, um tio do rapaz, contou a um repórter da TV Globo que parentes viram o adolescente saindo da janela de um dos veículos e logo depois sendo levado pela correnteza nas imagens gravadas por testemunhas, que ganharam repercussão também nas redes sociais.

Apesar da pista, a família não recebeu nenhuma notícia oficial sobre Gabriel desde terça-feira (15). No momento da entrevista ao Bom Dia Rio, Donizete visitava o IML (Instituto Médico Legal) em busca do paradeiro do sobrinho.

Regiões esvaziadas

Nesta quinta-feira, a Defesa Civil e Corpo de Bombeiros evacuaram a rua 24 de Maio, onde ocorreu um deslizamento ontem à tarde. A rua Teresa, famosa na região pelo polo têxtil, também foi esvaziada. Os moradores deixaram suas casas com malas e animais, como cachorros, gatos e passarinhos. Eles foram levados para um ponto de apoio na região.

Ao todo, mais de cem pessoas morreram em Petrópolis. A Polícia Civil do Rio informou que ao menos 134 pessoas registraram desaparecimentos de familiares. Na quarta-feira (16), o Ministério Público do Rio já havia divulgado uma lista de desaparecidos com 35 nomes. Ainda não informações precisas sobre o número de pessoas procuradas na região.

Cotidiano