PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
3 meses

Médico que morreu em voo na lua de mel estudava depressão e era doutorando

O médico Glauto Tuquarre Melo, de 49 anos, e a esposa, Lícia - Reprodução/Instagram
O médico Glauto Tuquarre Melo, de 49 anos, e a esposa, Lícia Imagem: Reprodução/Instagram

Yala Sena

Colaboração para o UOL, em Teresina

26/04/2022 04h00Atualizada em 26/04/2022 15h59

O médico Glauto Tuquarre Melo, que morreu aos 49 anos por suspeita de infarto durante um voo que o levaria para a lua de mel nas Maldivas, na madrugada de ontem, era querido pelos colegas de trabalho, cursava o primeiro ano do doutorado na UFPI e era pesquisador da depressão em pacientes com câncer.

Familiares seguem aguardando o traslado do corpo do profissional de saúde de Doha, no Catar, para o Brasil — que deve levar ao menos três dias para ser liberado antes de seguir para o território brasileiro — e ainda não divulgou informações sobre o velório.

O médico havia se casado com a publicitária Lícia Dutra, que trabalha com projetos sociais da TV Clube, afiliada da Globo no Piauí.

O casamento ocorreu no sábado (23), em Teresina (PI). Eles embarcaram ontem em São Paulo e fariam uma conexão em Doha, capital do Catar, antes de chegar às Maldivas, um arquipélago no Oceano Índico famoso por suas praias e recifes.

Médico especialista em câncer

Natural de Manaus, no Amazonas, ele pesquisava o impacto da depressão no reaparecimento do câncer de mama. Ele estava no primeiro ano de doutorado na Universidade Federal do Piauí (UFPI), instituição em que se formou em 1996.

Morando em Teresina há cerca de 20 anos, Glauto se formou em medicina e se especializou em oncologia. Fez mestrado sobre câncer colorretal.

Desde então, trabalhou em diversos hospitais, entre eles, em Caxias (MA), onde é concursado, em Teresina e em Parnaíba. Foi professor da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) e atualmente fazia plantão em hospitais públicos e era sócio em uma clínica oncológica na capital piauiense.

Glauto, 49, era médico e pesquisava o impacto da depressão no reaparecimento do câncer de mama - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
O médico Glauto Tuquarre Melo, de 49 anos, deixa uma filha de 11 anos
Imagem: Reprodução/Instagram

Glauto Tuquarre Melo deixa a esposa e uma filha de 11 anos.

Homenagens

A nutricionista Irislene Costa, 25, do mesmo grupo de pesquisa do médico, ressaltou a preocupação que ele tinha de realizar um estudo que pudesse ser aplicado no dia a dia das pessoas.

"Ele era uma pessoa muito humana. Extremamente empolgado, tinha a preocupação de nossas pesquisas terem aplicabilidade no paciente. Ele queria que os pacientes, principalmente de pouco poder aquisitivo, tivessem acesso às drogas do tratamento; se preocupava se o paciente tinha dinheiro para se deslocar; conseguia doação de medicamentos para eles. Ele amava o que fazia", disse.

Segundo a família, o profissional "nunca acreditou que o diagnóstico de câncer era uma sentença de morte. Preferia acreditar na esperança e na ciência. Pesquisava sobre tratamentos menos invasivos e melhores condições".

Cotidiano