PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Estudantes vão à escola com cobertor e são advertidos: 'Parecem mendigos'

Filha de Flávia durante a aula com o cobertor nas pernas - Arquivo pessoal
Filha de Flávia durante a aula com o cobertor nas pernas Imagem: Arquivo pessoal

Do UOL, em São Paulo

20/05/2022 19h03Atualizada em 20/05/2022 21h42

A mãe de uma aluna de 13 anos do 8º ano do Ensino Fundamental criticou a atitude da escola da filha de proibir o uso de cobertores em sala de aula. A funcionária pública Flávia Alves Xavier, 49, relatou a situação nas redes sociais. O caso ocorreu em meio a uma onda fria que atingiu o estado, na quarta-feira (18), na Escola Estadual Maria Alice C. Mesquita, em Carapicuíba (SP).

Ao UOL, Flávia contou que liberou a filha para levar um cobertor para colocar nas pernas e nas costas enquanto assistia à aula. A mesma atitude foi feita por outros pais de alunos, segundo ela relatou. Na ocasião, o dia teve início com termômetros marcando 7 ºC em diversas regiões do estado.

"A coordenação da escola viu as imagens pelo sistema de câmeras e informou de sala em sala que os alunos não poderiam estar com cobertor, daí minha filha guardou a coberta dentro da mochila. Logo mais a coordenadora e mais uma funcionária foram nas salas de aula chamando os alunos que levaram os cobertores. Eles desceram para sala da coordenação e ficaram sentados no chão, recebendo um sermão."

Segundo a mãe, as funcionárias informaram que o cobertor não fazia parte do uniforme da escola e que os alunos estavam "parecendo mendigos". Ela ainda disse que os alunos, caso ficassem sentados em dupla, poderiam cometer "atos libidinosos".

Além da advertência verbal, eles ainda receberam um comunicado em casa, proibindo o uso das cobertas.

cobertor - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Comunicado foi enviado a outros pais de alunos proibindo o uso da coberta
Imagem: Arquivo pessoal

"Eu fui até a escola para saber do que se tratava, porque eu não vi mal algum em alunos levarem um cobertor. Lá, fui informada que isso não tinha cabimento, que não vemos pessoas andando de cobertores nas ruas ou no shopping e que na escola não será permitido", disse ela.

"Questionei o porquê, já que os uniformes de inverno não são preparados para essas temperaturas frias. A solução que me apontaram é que minha filha usasse mais de um agasalho por baixo do uniforme ou que ela usasse ponches de lã, pois cobertor não pode usar."

Flávia relatou a situação nas redes sociais e disse que ficou sabendo que cerca de 20 a 30 pais de alunos também receberam o mesmo comunicado. Entre os comentários da publicação, estava o de um pai de outra aluna, do primeiro ano, que também recebeu a advertência.

"Eu a autorizei ela a levar a mantinha... O frio está insuportável e nós, brasileiros não estamos preparados para tal frio. Não vi em momento nenhuma maldade nesse ato. As crianças ficaram um tempão no pátio, sentados no chão tomando friagem nesse baita frio. Dizer a crianças que o ato de levar um cobertor para a escola é vergonhoso? Os comparar com mendigos? Dizer que podem cometer atos libidinosos por estarem com uma coberta no colo? Desrespeitoso e desnecessário com as crianças", escreveu o homem, identificado como Clau Victorino.

Em nota, a Seduc-SP (Secretaria da Educação do Estado de São Paulo) informou que "a equipe gestora da escola solicitou aos alunos que guardassem os cobertores, pois vários estudantes estavam se agrupando em apenas um cobertor, o que causou distração nas aulas."

"A direção convocou os responsáveis de alguns estudantes para esclarecer a recomendação. Eles foram notificados sobre o fato e as aulas seguiram normalmente", explicou o órgão.

Recorde de frio

A capital paulista está enfrentando o mês de maio mais frio dos últimos 32 anos. Com 7 °C às 6 horas da manhã, São Paulo registrou a menor temperatura do ano de 2022 na cidade na quarta-feira (18), com uma média de 8 ºC ao longo da madrugada.

A sensação térmica negativa foi sentida em algumas regiões, como o bairro de M'Boi Mirim, na zona sul, em que os 8 ºC pareceram 1 ºC, e a área do aeroporto de Congonhas, também na zona sul, onde a temperatura observada foi de 8 ºC com sensação de -2 ºC, a menor registradas nas últimas horas, segundo nota divulgada pelo do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas).

Cotidiano