PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Jovem que teria sido envenenada por madrasta relatou passar mal em áudio

Jane (à dir.) com os filhos Bruno, de 16 anos, e Fernanda, de 22; adolescente foi internado em março, 2 meses após morte da irmã - Reprodução/Instagram
Jane (à dir.) com os filhos Bruno, de 16 anos, e Fernanda, de 22; adolescente foi internado em março, 2 meses após morte da irmã Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

23/05/2022 14h00Atualizada em 23/05/2022 21h24

Antes de ser internada em um hospital, Fernanda Carvalho, 22, mandou um áudio para o namorado, Pedro Henrique Lopes, relatando se sentir mal após jantar com a madrasta Cintia Mariano Dias. Fernanda morreu dia 15 de março e, dois meses depois, o irmão dela, Bruno, 16, também passou mal após um almoço feito pela madrasta que misturou "pedrinhas azuis" ao feijão.

Em entrevista ao "Balanço Geral", da TV Record, Pedro disse acreditar que a madrasta sentia inveja de Fernanda. "O pai dela amava muito ela. Acho que ela [Cintia] tinha inveja disso".

No áudio, enviado no dia do incidente, Fernanda estava ofegante. "Cara, estou passando muito mal. Não sei o que está acontecendo. Estou muito tonta", disse ela.

Pedro ainda acrescentou: "Vai ser muito difícil conviver com isso ainda mais depois de saber que não foi uma causa natural, foi algo que alguém fez, alguém tirou ela de mim".

Na época da morte da primogênita, a madrasta insinuou que ela havia passado mal após "tomar algo" após um treino na academia. A mãe, Jane Carvalho Cabral, afirmou ao jornal carioca O Globo que não acreditou na teoria, já que a filha estava em uma dieta com acompanhamento de profissionais.

A madrasta é investigada pelo homicídio de Fernanda e tentativa de homicídio contra Bruno.

A suspeita de envenenamento ganhou força depois que Bruno passou mal após comer na casa do pai no dia 15 de maio. O jovem teve os mesmos sintomas apresentados pela irmã. A polícia pretende pedir a exumação do corpo de Fernanda, segundo a TV Record. Na época, de acordo com Jane, o hospital não realizou testes que pudessem detectar qualquer tipo de veneno.

Além disso, segundo a Polícia Civil, também foram abertos procedimentos para apurar se ela é a responsável pela morte de um ex-marido e de uma vizinha.

Cíntia está presa em Benfica, no Rio de Janeiro, desde sexta-feira (20). A defesa pedia a troca da prisão temporária pela prisão domiciliar, mas o pedido foi negado pelo juiz Rafael de Almeida Rezende em audiência de custódia.

Segundo a Polícia Civil, os filhos biológicos de Cíntia afirmaram em depoimento que ela confessou a eles ter colocado veneno na comida dos enteados.

Cotidiano