PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

O que se sabe sobre o caso da jovem que teve rosto tatuado com o nome do ex

Jovem tem seu rosto tatuado por ex-namorado em Taubaté - Arquivo pessoal
Jovem tem seu rosto tatuado por ex-namorado em Taubaté Imagem: Arquivo pessoal

Do UOL, em São Paulo

23/05/2022 11h11Atualizada em 23/05/2022 21h06

Um homem de 20 anos foi detido suspeito de agredir e tatuar o próprio nome no rosto da ex, em Taubaté, interior de São Paulo. A mãe da jovem registrou boletim de ocorrência após ela não voltar da escola, na última sexta-feira (20) e reaparecer em casa, já com o rosto tatuado com o nome "Gabriel Coelho".

Nesta segunda-feira (23), a garota, de 18 anos, falou sobre os momentos vividos na casa do ex, em entrevista ao UOL.

A família dela já havia conseguido duas medidas protetivas em relação ao rapaz. Segundo denuncia a mãe da jovem, há um mês, ela tentou pedir para que ele ficasse longe de sua filha, alegando que ele batia nela, mas o rapaz teria respondido: "nada vai mudar o que vou fazer".

Antes de ser investigado pela agressão à jovem, ele já acabou preso por descumprir duas medidas protetivas, uma de 2021 e outra deste ano, que deveria proibir que ele se aproximasse da jovem. Hoje, ele teve a prisão preventiva declarada.

Quando ocorreram os fatos?

A jovem saiu para ir à escola na sexta-feira (20) pela manhã, mas não havia retornado até às 22h. Preocupada, a mãe procurou a polícia.

Na manhã do sábado (21), a filha chegou em casa. A mãe dela contou ao UOL que percebeu que ela tentava esconder algo.

Pela manhã, fui até a rua do rapaz e vi minha filha dentro do carro. Voltei para casa e quando cheguei aqui já a encontrei tentando tapar a tatuagem com maquiagem porque tinha de ir trabalhar. Ali eu desabei.

Quais as provas contra o ex?

Gabriel Coelho foi preso preventivamente após tatuar o próprio nome no rosto da ex - Reprodução - Reprodução
Gabriel Coelho foi preso preventivamente após tatuar o próprio nome no rosto da ex
Imagem: Reprodução

A mãe da jovem relatou à polícia que o rapaz agrediu a filha e a imobilizou para fazer a tatuagem.

Ela está com o olho roxo. E ele a forçou a gravar um vídeo autorizando a tatuagem. Minha filha falou que gravou com medo de algo pior acontecer. Tenho medo do que possa acontecer com minha família caso ele seja solto pela Justiça.

Além disso, há um mês, a mãe recebeu mensagens do ex com ameaças para a vítima, ela pediu para as agressões pararem. "Por favor, tô pedindo. Para com isso. Você já bateu muito nela. Eu sei tudo o que você fez, sei de todas as ameaças", escreveu a mãe da jovem por WhatsApp, segundo prints da conversa.

Ele pede para que não sejam mais enviadas mensagens, e diz que nada mudaria o que seria feito.

Para de mandar mensagem para mim, por favor. Nada do que você falar ou deixar de falar vai mudar o que eu vou fazer. Fechou? É isso aí. Forte abraço.

A mãe rebate e diz que a "vida inteira" ele bateu na jovem; o suspeito fala para ela cortar "o papinho". Após mais algumas mensagens, ele pede que a mãe da garota e o marido o esperassem na porta de casa. "Fala pro seu marido ficar aí na frente. Não quero ver crianças nem as meninas aí. Só você e seu marido".

Quem é responsável pela investigação?

O ex é investigado pela DDM (Delegacia da Mulher) de Taubaté. O caso corre em segredo de justiça.

Como está a menina?

De acordo com Débora, a filha tem chorado muito e não tem sido possível deixá-la sozinha. "Ela está com medo, fala em tirar a própria vida. Estou tentando falar para todo o mundo que não sou uma mãe chata impedindo um namoro. É um caso grave que está acontecendo. Ele fala que se ela não for dele, não será de mais ninguém. Não tenho conseguido dormir. Eu não quero ter que enterrar minha filha".

Por quanto tempo foi mantido o relacionamento?

A filha e o infrator começaram a se relacionar em 2019, e segundo a mãe, ele era um "rapaz bom" no começo, mas tudo mudou em 2020.

Após um ano de namoro, começaram as crises de ciúme até que, no início de 2020, ocorreu a primeira agressão. Desde então, luto para distanciar os dois.

O casal ficou oito meses separado e, segundo a mãe, voltou a se encontrar quando ele prometeu que não haveria mais agressões. Mas ele ameaçava a jovem e a deixava incomunicável dentro da casa dele, segundo a mãe.

"Ele a impedia de ter contato com amigos e familiares. Minha filha chegou a ficar incomunicável dentro da casa dele em duas ocasiões. Eu ia até lá, ninguém abria a porta, ele respondia por ela nas redes sociais. Até que ela conseguiu fugir", disse.

A família chegou a mandar a jovem para a capital paulista, mas uma oportunidade de emprego em um mercado a fez voltar a Taubaté, onde o ex teria voltado a ameaçá-la.

"Um dia, quando ela ia para o seu curso, ele a encontrou na rua e, com uma arma, a coagiu a entrar no carro. Logo depois, no dia 29 de maio, quando ela fez 18 anos, ele publicou nas redes duas fotos de tatuagens que ele tinha feito nela: seu nome no peito e na virilha. Na sequência fomos atrás da segunda medida protetiva", explicou a mãe.

Cotidiano