PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Carro explode durante abastecimento de GNV em posto no Rio de Janeiro

Explosão destruiu parte do teto de um posto de combustíveis no bairro Paciência, no Rio de Janeiro - Redes sociais/Reprodução
Explosão destruiu parte do teto de um posto de combustíveis no bairro Paciência, no Rio de Janeiro Imagem: Redes sociais/Reprodução

Do UOL, em São Paulo

05/08/2022 19h49Atualizada em 05/08/2022 19h49

Uma explosão de um carro que abastecia gás GNV foi registrada na manhã de hoje em um posto de combustível do bairro Paciência, no Rio de Janeiro. O caso ocorreu pouco mais de uma semana depois de um acidente semelhante, com uma morte, na capital fluminense.

Segundo testemunhas, a ocorrência foi registrada por volta das 10h e a explosão destruiu um dos carros, atingiu superficialmente outro veículo e parte do teto do posto de gasolina Shell, localizado na Estrada Santa Eugênia.

Em nota, a Polícia Militar confirmou a ocorrência e informou que policiais do 27º BPM foram até o local e constataram avarias no veículo que abastecia no local.

Ninguém ficou ferido na explosão e o veículo foi retirado do local no começo da tarde. Apesar das avarias no teto, funcionários de comércios vizinhos ao posto informaram ao UOL que ele funcionava normalmente no começo da noite.

Segundo a Polícia Militar, a ocorrência foi encaminhada à 43ª DP, em Guaratiba. O UOL entrou em contato com a Polícia Civil do Rio de Janeiro em busca de informações sobre as investigações em torno da explosão, mas não recebeu retorno até o momento.

Segunda explosão do tipo em duas semanas

O incidente registrado na manhã de hoje ocorre pouco mais de uma semana após um homem de 67 anos morrer por causa de outra explosão de GNV na capital fluminense.

Mário Magalhães da Penha, que abastecia no bairro do Rocha, foi atingido pela explosão do próprio veículo no dia 26 de julho e chegou a ser internado com queimaduras graves e fraturas expostas decorrentes do impacto da explosão, mas morreu na madrugada do dia 27.

A esposa dele, identificada apenas como 'Andrea', também precisou ser socorrida, mas sobreviveu.

Cotidiano