Conteúdo publicado há 2 meses

Suspeito de degolar dois jovens em Birigui é preso no Paraguai

O suspeito de matar e degolar dois jovens em Birigui (SP) foi preso nesta sexta-feira (1º), no Paraguai.

O que aconteceu

Washington Elias Relíquias de Souza Sarmento, 29, foi detido pela polícia paraguaia na cidade de Pedro Juan Caballero. As vítimas, Jimmy Pereira da Silva, 21, e Caroline Batista, 22, foram degolados. Os corpos foram localizados pela polícia enrolados em lençóis, na casa onde residiam os suspeitos.

O suspeito estava em uma via pública no momento da prisão. Segundo comunicado da polícia, ele estava a pé e "com atitude suspeita".

Na abordagem, o homem afirmou que era cidadão brasileiro e que estava ilegalmente em território paraguaio.

Os agentes o levaram para a delegacia, onde verificaram um mandado de prisão em aberto pela suspeita de matar duas pessoas. O UOL não localizou a defesa do suspeito. O espaço segue aberto para manifestação.

Suspeita também foi presa

No dia 27 de novembro, uma mulher de 24 anos foi presa. Ela é companheira de Washington, e é investigada por participar da morte dos jovens.

Em depoimento, ela negou ser a autora das facadas. A mulher também disse que não colaborou com a ocultação dos corpos, informou ao UOL o delegado responsável pelo caso, Eduardo Lima de Paula.

Continua após a publicidade

A investigada confessou, em depoimento à Polícia Civil, que aceitou fugir com o companheiro por ficar em estado de choque após o crime.

A mulher e o marido fugiram para o Paraguai após o crime. O companheiro teria pedido ajuda financeira de familiares.

Apesar da fuga, ela contou que teria decidido voltar para Birigui com objetivo de prestar depoimento à polícia.

Ela foi presa temporariamente, por 30 dias. Após os suspeitos serem identificados, a Polícia Civil representou pela prisão temporária de ambos. A Justiça atendeu o pedido e os mandados foram expedidos.

Dinâmica do crime

A suspeita explicou que o crime teria sido cometido na manhã do dia 22 de novembro.

Continua após a publicidade

Ela contou que teria tentado fazer sexo com ela enquanto ela dormia. O companheiro dela tentou defendê-la e teria entrado em luta corporal com Jimmy. Em seguida, ele teria matado o jovem de 21 anos.

A outra vítima, Caroline Batista, teria acordado e presenciado o crime. Ela ameaçou chamar a polícia. Por isso, Washington também a teria matado.

A investigada esclareceu que o seu companheiro e Jimmy eram apenas conhecidos. "Se encontraram em um barzinho na terça, dia 21 de novembro, e ele [Jimmy] pediu para pernoitar na casa do amigo para ficar com a Caroline. O suspeito teria concordado. Lá teriam usado drogas e bebido juntos", contou o delegado.

O delegado explicou que, em relação à cronologia dos fatos, a versão da indiciada corroborou com as investigações já desenvolvidas. "A dinâmica dos fatos será esclarecida no decorrer das investigações e com a juntada de novos elementos probatórios e laudos periciais".

Relembre o caso

Os corpos de Jimmy Pereira da Silva e de Caroline Batista foram encontrados no dia 23 de novembro.

Continua após a publicidade

As vítimas estavam sem roupas, enrolados em lençóis e com ferimentos profundos na região frontal do pescoço. O homem também tinha marcas de facadas no peito.

As vítimas foram encontradas no bairro Parque das Nações.

A Polícia Militar foi acionada para a ocorrência por uma mulher, que se apresentou como a irmã do suspeito de cometer o crime. Ele teria telefonado para ela e confessado o crime.

Ao chegar na residência, os agentes encontraram dois corpos, um do lado do outro. As vítimas não moravam na casa onde foram achadas.

A polícia também encontrou roupas sujas de sangue pelo imóvel.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora