Conteúdo publicado há 2 meses

Dano em Maceió pode ser menor do que se esperava, diz Defesa Civil

O coordenador da Defesa Civil de Alagoas, Moisés Melo, disse que o dano do colapso da mina de Maceió deve ser menor do que se esperava.

O que aconteceu

A declaração foi feita após o órgão registrar a redução na velocidade da movimentação de terra nas últimas 24 horas.

Hoje, um novo sismo aconteceu a 300 metros de profundidade. Segundo o coordenador do órgão, os primeiros temores começaram em 4 de novembro, com 780 metros de profundidade.

"A mina poderá chegar a superfície a qualquer momento", afirmou Melo durante entrevista à CNN. O coordenador da Defesa Civil disse que toda área está isolada e que a população está a cerca de 2 quilômetros do "epicentro".

Pelo formato e a forma que está se desenvolvendo, acreditamos que o dano não será tão grande como esperávamos, mas mesmo assim teremos um dano ambiental considerável e que levará então a Maceió a tomar medidas após o colapso.
Moisés Melo, coordenador da Defesa Civil, à CNN

Morte de animais e desequilíbrio de lagoa

Reportagem do UOL abordou as consequência do colapso — uma delas é o vazamento de salmoura na lagoa Mundaú, que fica na região. A mina fica às margens da lagoa.

Os resultados negativos desse impacto, segundo especialistas ouvidos pelo UOL, só serão dimensionados meses após o colapso. A morte de animais está também entre as possíveis consequências também.

Continua após a publicidade

A água que vai descer para a lagoa é uma água salobra que contém sal. Em excesso, isso causará um desequilíbrio no sistema [...] Mas, pelo que tenho acompanhado, esse volume que vai ser despejado não vai ser um volume que vá causar grandes problemas ambientais a longo prazo tendo em vista a alta capacidade do local diluir o sal.
Alder Flores, engenheiro ambiental

Mina da Braskem

O deslocamento do subsolo da mina ocorre por causa da extração de sal-gema pela Braskem. O sal-gema é utilizado para produzir soda cáustica e PVC. A empresa atuava na região desde 1976 e encerrou a extração do minério em 2019.

Pelo menos 200 mil pessoas foram afetadas pelo desastre até hoje. Entenda como a extração causou o problema.

A Prefeitura de Maceió criou um canal no WhatsApp para atualizar a população sobre as condições da mina. O número é (82) 99949-9612.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes