PUBLICIDADE
Topo

Kalil foi extremamente autoritário na pandemia, diz João Vítor Xavier

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/10/2020 10h51

O candidato à Prefeitura de Belo Horizonte pelo Cidadania, João Vítor Xavier, disse que houve um 'autoritarismo extremo do prefeito' Alexandre Kalil (PSD) durante o combate à pandemia do novo coronavírus.

"A grande questão, que debati desde o começo, foi como se deram todas as medidas de abertura e fechamento durante a pandemia na cidade", disse em sabatina do UOL, em parceria com a Folha de S.Paulo, transmitida hoje

O candidato ainda acusou Kalil de mentir para a população. "Durante a pandemia, o prefeito falou que faria hospitais de campanha, e não fez, falou que colocaria 7.000 respiradores, não colocou", declarou às repórteres Amanda Rossi, do UOL, e Fernanda Canofre, da Folha de S. Paulo.

"Fato é que a Prefeitura de Belo Horizonte foi e voltou no seu argumento inúmeras vezes", disse Xavier.

Popularidade de Kalil

Sobre a popularidade de Kalil, Xavier afirmou que ela já era esperada e que não se preocupa com as pesquisas.

Pesquisa Ibope divulgada na sexta-feira (2) mostrou Kalil com 58% das intenções de voto. Xavier tinha 4%.

"Acho que os institutos de pesquisa têm errado muito nos últimos anos, temos tido distorções muito grandes e, inclusive, talvez seja o momento de rever a forma como são feitas", disse.

Coligação com 8 partidos

Xavier também falou sobre apoio de outros oito partidos que fazem parte da sua coligação, o interesse de manter as portas abertas para o governo federal e a vontade de dialogar com todo o tipo de eleitor.

"Nosso principal objetivo é furar a bolha de comunicação que foi feita em torno do prefeito e que foi pouquíssimo questionada nos últimos 4 anos, várias coisas que ele disse e não se concretizaram precisam vir a público", declarou.

Sobre as coligações feitas durante as eleições, o candidato afirmou que a motivação para a união foi a insatisfação com o atual modelo de gestão.

"É uma gestão que não dialoga com as pessoas, e trata os assuntos de modo autoritário e arrogante, é uma insatisfação de toda a cidade", disse.

"Setor de bares, de comércios, serviços, empresários, trabalhadores e lideranças políticas estão sendo tratados com extremo desrespeito nos últimos anos", afirmou.

Ele ainda acusou Kalil de ter procurado essas pessoas oferecendo cargos para possível coligação.

"Nós não prometemos um porteiro de prédio na prefeitura pra ninguém, não oferecemos e os partidos também não pediram", disse.

Próximas sabatinas

A sabatina com Xavier foi a segunda com os candidatos de Belo Horizonte, a primeira foi com Bruno Engler (PRTB). As próximas serão com Kalil (dia 7) e Áurea Carolina, do PSOL (dia 9).