PUBLICIDADE
Topo

Russomanno fala em suposta produtora fantasma e Boulos rebate: 'Pegadinha'

Colaboração para o UOL

11/11/2020 11h07Atualizada em 11/11/2020 15h09

O candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) foi questionado hoje por Celso Russomanno (Republicanos), em debate promovido pelo UOL, em parceria com a Folha de S.Paulo, sobre uma suposta empresa fantasma que teria recebido dinheiro do psolista. Em seguida, Boulos rebateu perguntando se Russomanno estava fazendo "pegadinha" durante o debate. A equipe do candidato do PSOL afirma tratar-se de uma informação falsa.

"Vendo a prestação de contas do Boulos, eu encontrei a Kirion Vagabundo Limitada, que não está no endereço certo. Ou seja, é empresa que o senhor deu de R$ 24 mil a R$ 28 mil, e a empresa não se encontra no local, é fantasma", afirmou Russomanno, pedindo explicações ao psolista. O candidato do Republicanos afirmou que a informação saiu de "redes sociais".

"Celso, eu desconheço essa reportagem, é do seu site? Do seu programa? Precisa dizer de onde tira as coisas. Você colocou nas redes sociais e veio fazer pegadinha em debate? Celso, pelo amor de Deus, parece que você está desesperado porque está caindo nas pesquisas e começa a querer tratar o debate desse jeito", rebateu Boulos.

A campanha do candidato do PSOL entrou em contato com o UOL e afirmou que se trata de informações falsas.

"O pseudo 'jornalista' que fez a 'denúncia' utilizada por Russomanno no debate da UOL/Folha é o Osvaldo Eustaquio Filho. Basta olhar no Google: é um difamador bolsonarista profissional. Já foi para a cadeia. Incitou manifestações contra o STF [Supremo Tribunal Federal] e a favor da ditadura. As empresas prestadoras de serviço estão trabalhando em home office por conta da Pandemia, conforme está no próprio contrato da campanha. E estão abertas para qualquer esclarecimento", afirmou a equipe de Boulos.

A campanha de Russomanno não esclareceu ao UOL se a acusação contra Boulos foi pautada no vídeo produzido por Oswaldo Eustáquio. A reportagem questionou se o candidato tem conhecimento sobre a disseminação de notícias falsas por parte do blogueiro, mas não houve retorno.

Um assessor informou que "independente da fonte, se for verdade é muito grave. A nossa equipe vai levantar esse caso".

Eustáquio é militante bolsonarista e foi preso pela PF (Polícia Federal) em 26 de junho, sob alegação de que o blogueiro estava utilizando táticas para não ser localizado. Ele é investigado na Operação Lume, inquérito que apura financiamento, apoio e organização de atos antidemocráticos que defendem o retorno da ditadura militar (1964-1985) e o fechamento do Congresso e do STF (Supremo Tribunal Federal).

O blogueiro já apareceu em lives com o ex-deputado condenado no processo do "mensalão" Roberto Jefferson, quando o líder do PTB defendeu que haveria uma tentativa de golpe contra Jair Bolsonaro (sem partido). Ele também foi assessor da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, durante o governo de transição.

Os principais candidatos à Prefeitura de São Paulo participam nesta quarta-feira (11) de debate promovido pelo UOL, em parceria com a Folha de S.Paulo.

Os quatro primeiros colocados na mais recente pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira passada (5), foram convidados: Bruno Covas (PSDB), atual prefeito e que busca a reeleição, Celso Russomanno (Republicanos), Guilherme Boulos (PSOL) e Márcio França (PSB), todos empatados tecnicamente, dentro da margem de erro.