PUBLICIDADE
Topo

Capital mais bolsonarista do Nordeste veta falar bem ou mal do presidente

JHC (PSB) e Alfredo Gaspar (MDB) concorrem à Prefeitura de Maceió - Reprodução/Facebook/Arte-UOL
JHC (PSB) e Alfredo Gaspar (MDB) concorrem à Prefeitura de Maceió Imagem: Reprodução/Facebook/Arte-UOL

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

21/11/2020 04h00

Nas eleições de 2018, Maceió deu a Jair Bolsonaro a mais expressiva votação entre as cidades do Nordeste no segundo turno: foram 61,63% dos votos válidos na disputa contra Fernando Haddad (PT).

Hoje, com uma cidade hoje verdadeiramente dividida entre apoiadores e críticos do presidente, falar bem ou mal de Bolsonaro em campanhas se tornou um risco. A cisão criou candidatos "isentões".

Pesquisa Ibope feita entre 9 e 11 de novembro mostra em números essa divisão: 37% acham o governo de Bolsonaro bom ou ótimo, enquanto 39% acham ruim ou péssimo.

Nesse cenário, o presidente virou tema proibido para Alfredo Gaspar (MDB) e João Henrique Caldas, o JHC (PSB), que se enfrentam no segundo turno com números apertados.

No primeiro turno na capital alagoana, o único candidato que usou o nome e imagem de Bolsonaro em Maceió foi Josan Leite (Patriota). Ele teve 6,27% dos votos válidos.

O deputado estadual Davi Filho (PP), que ficou em terceiro, contou com apoio de Arthur Lira (PP), líder do centrão e aliado de primeira linha do presidente. Mas, mesmo tendo um vice do PSL, preferiu deixar o presidente de lado na campanha.

Se você não tem esse perfil bolsonarista e só quer os votos [do eleitor bolsonarista], o melhor é fazer esse jogo de esquiva, sem se associar, e ignorar o presidente sempre que possível.
Ranulfo Paranhos, cientista político da Ufal (Universidade Federal de Alagoas)

Ele afirma que, desde o início da campanha, havia uma previsão "mais racional" de que o apoio de Bolsonaro poderia ser "uma bomba". "Isso traz riscos e incertezas. Apostar numa estratégia de não assumir aliança nem bater no presidente parece ser a melhor opção. Celso Russomanno, em São Paulo, foi uma vitrine do que deu errado."

Nem tão neutros assim

Em tese, os dois candidatos estão em grupos que se posicionam como oposição, mas na prática não é assim. Ambos já elogiaram ou flertaram com o bolsonarismo —e deixam isso público em suas redes sociais.

Em julho de 2019, Gaspar postou uma foto após visitar o deputado federal Eduardo Bolsonaro. À época, ele era procurador-geral de Justiça de Alagoas e presidente do GNCOC (Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas).

Antes da renúncia à chefia do MP alagoano, ele era um nome cortejado pelo lado bolsonarista por conta de sua passagem à frente da Secretaria de Segurança Pública de Alagoas —quando adotou uma atitude de "xerife linha-dura", participando pessoalmente de dezenas de operações policiais. O slogan de campanha —"prefeito pulso firme"— é uma referência a esse período.

Gaspar, no entanto, filiou-se ao MDB, comandado no estado pelo senador Renan Calheiros. Hoje, conta com apoio do governador Renan Filho (MDB) e do prefeito Rui Palmeira (sem partido), o que o afastou do público bolsonarista mais radical e historicamente crítico do clã Calheiros.

Em maio deste ano, JHC também foi às redes sociais elogiar a ministra Damares Alves, que integra o chamado núcleo ideológico do governo. Ele também já apareceu em fotos em participações na Câmara ao lado do colega Eduardo Bolsonaro.

Na sua campanha, JHC usa o verde e amarelo e traz postagens quase diárias com versículos da Bíblia. Ele tem apoio de bolsonaristas mais fiéis no estado, como o do deputado Cabo Bebeto (PTC).

O que dizem os dois candidatos

O UOL procurou os dois candidatos. JHC diz que sempre teve "muita autonomia e independência na vida parlamentar". "Mas política se faz com o Executivo e o Legislativo. Voto com o governo em pautas que considero boas, o que discordo, voto contrário. Acho que essa é a conduta que se espera de uma pessoa pública. Fui eleito por quase 180 mil alagoanos e represento os interesses dos cidadãos, esse é meu norte na política", diz.

Sobre um eventual apoio de Bolsonaro, ele desconversa. "As pessoas vão votar em mim, não nos apoiadores. De todo modo, se engana quem acha que se pode gerir qualquer cidade do país sem parcerias em nível federal", afirma.

Gaspar diz que sempre defendeu a "busca do diálogo e da convergência". "Isso ocorreu na minha vida inteira e entrei na política assim: com propósito e princípios. Então vou investir no diálogo com os governos estadual e federal, na certeza de que ninguém governa sozinho", afirma. O candidato diz que será, também em Brasília, um "defensor permanente dos interesses de Maceió". "Torço pelo sucesso do Brasil."