PUBLICIDADE
Topo

João Campos (PSB) vence a prima Marília (PT) e leva Prefeitura do Recife

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, no Recife

29/11/2020 18h45Atualizada em 29/11/2020 20h23

O deputado federal João Campos (PSB) conseguiu uma virada na reta final e venceu a também deputada federal e sua prima Marília Arraes (PT) no segundo turno. Aos 27 anos, Campos foi eleito prefeito do Recife neste domingo (29).

João obteve 56,27% dos votos (447.913) e Marília, 43,73% (348.126). Votos nulos somaram 9,17% e os brancos, 3,48%.

Depois da contabilização dos votos, o prefeito eleito fez um discurso conciliador e de união ao lado de sua família. Ele se emocionou ao fazer uma homenagem ao pai, Eduardo Campos (morto em acidente aéreo em 2014), e arrancou lágrimas da mãe, a viúva Renata Campos.

Não tem como vir aqui hoje celebrar essa vitória e não lembrar daquele que é minha referência na política, como pessoa, como cidadão, que é meu pai, Eduardo Campos
João Campos (PSB), prefeito eleito do Recife

29.nov.2020 - João Campos faz primeiro discurso como prefeito de Recife ao lado da namorada, a deputada Tabata Amaral - Beto Macário/UOL - Beto Macário/UOL
29.nov.2020 - João Campos faz primeiro discurso como prefeito de Recife ao lado da namorada, a deputada Tabata Amaral
Imagem: Beto Macário/UOL

A disputa no Recife foi uma das mais acirradas entre as capitais. A petista, que terminou o primeiro turno na segunda colocação, liderou as primeiras pesquisas feitas na campanha de segundo turno. Com o passar do tempo, porém, a diferença foi sendo reduzida e os dois chegaram empados nas última pesquisas.

João também comemorou a vitória nas redes sociais. "A felicidade é muito grande por aqui, estamos juntos pelos nossos sonhos. O futuro começa agora!"

Com a vitória, o PT não faz prefeito novamente em nenhuma das maiores capitais do país, repetindo o desempenho pífio de 2016 —quando elegeu apenas um prefeito, em Rio Branco (AC). Já o PSB segue com sua principal vitrine após oito anos de governo Geraldo Julio.

A campanha de João Campos valeu-se da imagem de seu pai, ex-governador de Pernambuco morto em acidente aéreo quando disputava as presidenciais de 2014. Ele sempre foi citado como o exemplo de vida para João.

Para vencer, João precisou driblar o principal argumento dos rivais de que seria jovem demais para governar o Recife.

Campos conseguiu fazer aliança com o PDT nacional, que indicou sua vice, Isabella de Roldão, e retirou a candidatura do deputado federal Túlio Gadêlha. A decisão rendeu um racha para o segundo turno, quando Gadêlha decidiu trair a decisão partidária e apoiar Marília Arraes. O mesmo aconteceu com o ex-prefeito João Paulo (PCdoB).

A campanha do segundo turno foi marcada por ataques de Campos ao PT e a Marília, o que gerou um verdadeiro "climão" entre membros da esquerda em Pernambuco, já que PSB e PT estão juntos na gestão do governo estadual. Muitos políticos se manifestaram contrários à postura do PSB. Um deles foi o senador Humberto Costa (PT-PE).

A partir de 1° de janeiro de 2021, João Campos terá de lidar com uma capital que sofre com o desemprego. Recife tinha, segundo o IBGE ao final de 2019, a maior taxa de desemprego entre as capitais, com 17,4% da população economicamente ativa fora do mercado de trabalho.