PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Refugiados palestinos esperam que visita de papa traga solução para a paz

Richard Furst

Do UOL, em Belém (Cisjordânia)

23/05/2014 06h00Atualizada em 23/05/2014 21h03

Os palestinos refugiados em campos ao redor de Belém, na Cisjordânia, esperam que a visita do papa Francisco ajude a resolver o conflito que se estende por anos no Oriente Médio.

A comunidade local acredita que o ex-arcebispo de Buenos Aires quer tentar ultrapassar um problema regional que se agrava cada vez mais: o fundamentalismo islâmico, agora também somado a casos de vandalismo cometidos supostamente por judeus ultraortodoxos.

Mas é outro desafio que está ainda mais próximo a eles: o impasse no processo de paz entre israelenses e palestinos.

É pensando nessas dificuldades que na pequena vila de Dheisheh, pessoas preparam o local sem flores ou ornamentos especiais para a passagem de Francisco. São cartazes que estão espalhados por todo lado.

"Colocamos imagens antigas impressas no plástico e sobrepostas com fotos coloridas. Usamos a arte para mostrar que o sofrimento de mais de 60 anos continua", afirma Jack Persekian, diretor do Museu Palestino, envolvido nos preparativos.

As montagens vão fazer parte do instituto ainda em construção nos territórios palestinos.

Locais pelos quais o papa Francisco vai passar durante visita à Terra Santa - Arte UOL - Arte UOL
Visita do papa à Terra Santa
Imagem: Arte UOL

Antes de se despedir de Belém, o papa Francisco virá a Dheisheh, onde vai se encontrar com as crianças dos maiores campos de refugiados na área: Dheisheh, Aida e Beit Jibrin. O rápido encontro será no Phoenix Center, o salão social da região.

Serão apenas 20 minutos de visita, mas os refugiados, de maioria muçulmana, dizem ser o suficiente para a mobilização local.

"Quando ele olhar para os refugiados, sentirá a urgência para uma solução ou para ajudar-nos a lutar por ela", disse Muhammad Ilham, chefe do campo de refugiados, que agora vai receber o quarto papa na comunidade com a visita de Francisco.

Todos os papas que visitaram a Terra Santa passaram por Dheisheh: Paulo 6º, em 1964; João Paulo 2º, em 2000 e Bento 16, em 2006.

"Ele não vem como líder espiritual, mas como chefe de Estado, soberano. Desta vez é diferente, por não ser um papa europeu, mas latino-americano e isso quer dizer para mim que ele é dos pobres", acrescenta o líder local.

A expectativa da viagem a Amã, Belém e Jerusalém, de sábado (24) até segunda-feira (26), se tornou popular nas comunidades muçulmana, judaica e cristã. Não há divisão local entre cristãos e muçulmanos aqui.

 

“Sofremos juntos, morreremos juntos", completa Muhammad. "Nos olhos de Israel não há distinção, vão todos para a mesma prisão."

Sâmia, uma comerciante palestina, mora em frente ao salão social e está ansiosa para ver o papa de perto, apesar de ser religiosa muçulmana. Ela é da terceira geração de refugiados.

“A visita vem em bom momento para nós, quando a religião vem sendo abusada com ataques”, define a comerciante em referência à onda crescente de ataques contra cristãos e árabes na região.

Também irão a Belém um rabino e um professor muçulmano, Abraham Skorka e Omar Abbud, amigos do papa de longa data desde Buenos Aires. Eles acompanharão Francisco na visita ao berço do Cristianismo.

De acordo com o papa, o diálogo inter-religioso pode aproximar fatores políticos irreconciliáveis e mostrar que a religião não é um fator de ódio.

Em Belém, depois de ser recebido pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, um carro aberto vai levar Francisco à praça da Manjedoura (no local que marca o nascimento do menino Jesus), para a missa mais esperada da viagem.

A celebração tem prioridade de entrada para palestinos e não para os milhares de turistas esperados na Terra Santa. Tudo isso devido à dificuldade ou impossibilidade, em muitos casos, de saída dos árabes desta região.

Curiosidades sobre a visita do papa

  • Francisco vai comer sopas e, como bom argentino, não vai faltar carne no cardápio

  • Pela primeira vez o 'Pai Nosso' será rezado por um pontífice romano junto com um patriarca grego. O encontro entre os mais tradicionais segmentos do cristianismo (católicos e ortodoxos) é o ponto alto da peregrinação

  • O papa não deve andar de carro aberto, mas exigiu que seu veículo no Oriente Médio não fosse a prova de balas. Mesmo assim, sempre há a expectativa de que ele quebre algum protocolo.

  • As ruas do centro antigo de Jerusalém, ponto mais movimentado da cidade, serão fechada no fim de semana, inclusive para moradores locais. Ou seja, as pessoas ficarão presas dentro de casa (ou fora) até a saída de Francisco, na segunda-feira (26)

  • Varreduras são feitas todos os dias nos locais em que o papa e sua comitiva vão passar

  • Há mais argentinos que brasileiros acompanhando a viagem à Terra Santa, entre peregrinos e jornalistas, segundo o governo de Israel

  • Mais de mil jornalistas se credenciaram para a cobertura em Belém, segundo a Autoridade Palestina

Refugiados

O detalhe de ser refugiado palestino é que os filhos também são considerados parte deste grupo. Eles começaram a chegar ao local em 1948 e 1949, quando Israel estabilizou suas fronteiras. Os palestinos são os únicos no mundo que o número de refugiados cresce com o passar dos anos: as crianças que vão nascendo também são consideradas parte deste grupo.

No início, eles viviam em tendas e casas improvisadas. Ao saber que levariam por muito tempo o rótulo de refugiados, começarem a construir casas, muitas delas hoje com dois andares e até edifícios.

Eles perderam a identidade, enfrentam o preconceito dentro da própria Cisjordânia por deixar a cidade de origem e fugir da guerra e sentem-se perdidos ao saber que as chances de voltar a Israel são atualmente inexistentes. Israelenses já classificaram a situação como uma exigência palestina descabida.

 

"Queremos mostrar que os refugiados possuem a mesma dignidade de outros seres humanos. Suas dores e sofrimentos são parte da dor que o mundo inteiro sente", conta o diretor do Museu Palestino, obra que também será apresentada a Francisco.

Ataques recentes

Forças israelenses e grupos com aproximadamente 20 jovens palestinos do campo de refugiados de Aida se enfrentaram em março deste ano.

Houve tentativa de incêndio em uma das torres de vigilância do muro que separa Israel da cidade da Cisjordânia. Segundo ativistas do campo, cerca de 12 jovens foram atingidos pelos disparos e vários foram detidos em incursões noturnas das forças israelenses.

O local, parte do complexo que o papa vai visitar, está próximo ao túmulo de Raquel, um lugar bíblico cercado em três lados pela muralha.

Conheça os pontos da negociação entre Israel e palestinos

  • Reprodução/BBC

    Estado palestino

    Os palestinos querem um Estado plenamente soberano e independente na Cisjordânia e na faixa de Gaza, com a capital em Jerusalém Oriental. Israel quer um Estado palestino desmilitarizado, presença militar no Vale da Cisjordânia da Jordânia e manutenção do controle de seu espaço aéreo e das fronteiras exteriores

  • Mohamad Torokman/Reuters

    Fronteiras e assentamentos judeus

    Os palestinos querem que Israel saia dos territórios que ocupou após a Guerra dos Seis Dias (1967) e desmantele por completo os assentamentos judeus que avançam a fronteira, considerados ilegais pela ONU. Qualquer área dada a Israel seria recompensada. Israel descarta voltar às fronteiras anteriores a 1967, mas aceita deixar partes da Cisjordânia se puder anexar os maiores assentamentos.

  • Cindy Wilk/UOL

    Jerusalém

    Israel anexou a área árabe da Jordânia após 1967 e não aceita a dividir Jerusalém por considerar o local o centro político e religioso da população judia. Já os palestinos querem o leste de Jerusalém como capital do futuro Estado da Palestina. O leste de Jerusalém é considerado um dos lugares sagrados do Islã. A comunidade não reconhece a anexação feita por Israel.

  • Agência da ONU de Assistência aos Refugiados Palestinos

    Refugiados

    Há cerca de 5 milhões de refugiados palestinos, a maioria deles descendentes dos 760 mil palestinos que foram expulsos de suas terras na criação do Estado de Israel, em 1948. Os palestinos exigem que Israel reconheça seu "direito ao retorno", o que Israel rejeita por temer a destruição do Estado de Israel pela demografia. Já Israel quer que os palestinos reconheçam seu Estado.

  • Mahfouz Abu / EFE

    Segurança

    Israel teme que um Estado palestino caia nas mãos do grupo extremista Hamas e seja usado para atacar os judeus. Por isso, insiste em manter medidas de segurança no vale do rio Jordão e pedem que o Estado palestino seja amplamente desmilitarizado. Já os palestinos querem que seu Estado tenha o máximo de atributos de um Estado comum.

  • Abbas Momani/AFP

    Água

    Israel controla a maioria das fontes subterrâneas da Cisjordânia. Os palestinos querem uma distribuição mais igualitária do recurso.

Internacional