PUBLICIDADE
Topo

Voos dos EUA com destino a Paris são desviados após ameaças de bomba

Aeronave da Air France é inspecionado depois de pousar em Salt Lake City, em Utah - Ravell Call/The Deseret News/AP
Aeronave da Air France é inspecionado depois de pousar em Salt Lake City, em Utah Imagem: Ravell Call/The Deseret News/AP

Do UOL, em São Paulo

18/11/2015 02h17Atualizada em 18/11/2015 16h21

Dois voos que partiam dos Estados Unidos e tinham como destino final Paris, na França, foram desviados nesta terça-feira (17) depois da chegada de ameaças de bomba por telefone, de acordo com autoridades norte-americanas.

Ambos eram da companhia Air France. O primeiro, um Airbus A-380 com 473 pessoas a bordo, partiu de Los Angeles, na Califórnia, mas foi desviado para Salt Lake City, no Estado de Utah.

O segundo voo, com 234 pessoas a bordo em Boeing 777-300, tinha como origem o aeroporto de Dulles, na Virgínia, próximo à Washington D.C., e também se dirigia a Paris, mas acabou sendo levado para Halifax, capital da província de Nova Escócia, no Canadá.

Os dois aviões pousaram em segurança, e os passageiros foram retirados, e não há informação de dano até o momento.

Em comunicado, a Air France afirmou que os voos "foram foram objetos de ameaças anônimas recebidas por telefone logo após suas respectivas decolagens. Por medida de precaução e a fim de conduzir os necessários procedimentos de controle, a Air France decidiu, em aplicação às medidas de segurança vigentes, aterrisar as duas aeronaves." 

"As autoridades locais procederam com as verificações completas das aeronaves, dos passageiros e das bagagens, confirmando um alarme falso. Uma investigação será conduzida pelas autoridades para identificar a origem das ligações telefônicas. Air France deplora o transtorno e o atraso causados a seus clientes e reitera que a prioridade é garantir a segurança dos passageiros", finalizou a mensagem.

Mais cedo, neste terça, ao menos dois voos tiveram passageiros detidos pela polícia nos Estados Unidos.

Os atentados em Paris já fizeram com que os Estados Unidos reforçassem a segurança nas grandes cidades do país, no transporte público e em eventos esportivos. Além disso, o grupo radical Estado Islâmico teria divulgado um vídeo ameaçando os Estados Unidos. (Com Reuters e EFE)

Internacional