Enquanto Trump promete muro, grupos lutam para integrar os dois lados da fronteira

Talita Marchao

Do UOL, em São Paulo

Enquanto o candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, eleva o tom contra os imigrantes e defende a todo custo sua proposta do muro entre os EUA e o México, grupos dos dois lados da fronteira lutam diariamente para romper o isolamento imposto pela barreira física que divide as comunidades de San Diego, do lado americano, e Tijuana, do mexicano.

Eles organizam aulas de ioga, jardinagem e até cultos binacionais envolvendo comunidades dos dois lados do muro. O palco das atividades é simbólico: o Parque da Amizade, que fica na fronteira entre as duas cidades e historicamente é usado por famílias para o reencontro, ainda que elas não possam se tocar.

John Moore/Getty Images/AFP
Do lado mexicano, mulher aguarda para falar com parente que está nos Estados Unidos

No campo mexicano, o parque é um espaço aberto à população 24 horas, 7 dias na semana; no americano, policiais da imigração permitem o acesso restrito a 25 pessoas por vez apenas aos finais de semana, entre 10h e 14h.

A ideia de um dos grupos, chamado Amigos do Parque da Amizade, é forçar o governo federal a manter o espaço aberto, já que eles ocuparam a área da fronteira imediata do parque (que é estadual) em 2009 e, desde então, dificultam cada vez mais o acesso da população a um dos poucos pontos no país em que famílias podem se ver.

John Fanestil, 65, é um pastor da Igreja Metodista que cresceu em San Diego e criou a Igreja da Fronteira em 2011, mas ele já promovia cultos diante do muro quando o parque era completamente aberto, sem o controle da patrulha fronteiriça. As cerimônias são realizadas dos dois lados e atraem um público fiel aos domingos do lado mexicano --do americano, poucas pessoas podem participar, até mesmo pelo limite imposto pelas autoridades ao local.

Reprodução/Facebook Border Church
No fim da cerimônia, que coincide com o fechamento da área, fiéis colocam as mãos na cerca durante oração de encerramento

O pastor mexicano Guillermo Navarrete o apoia durante o culto, e é ele quem monta a infraestrutura completa para a cerimônia. Fanestil entra no espaço cercado apenas com um microfone sem fio, que é conectado a todo equipamento instalado no lado mexicano --absolutamente nenhum objeto pode passar de um lado para o outro da fronteira.

  • 49739
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2016/11/04/em-quem-voce-votaria-para-a-presidencia-dos-eua.js

Em entrevista ao UOL, Fanestil contou que do lado americano participam, em média, cerca de cinco pessoas --fora os que visitam parentes e optam por se unir à oração em algum momento. Mas, do lado mexicano, a cada domingo algumas dezenas de pessoas participam da cerimônia.

"No lado mexicano, a maior parte das pessoas, cerca de 80% das que participam do culto, foi deportadas", estima Fanestil.

Entre os fiéis regulares estão um grupo de mães deportadas e outro de veteranos deportados, ambas entidades organizadas de Tijuana. "Mas costumam participar também outras pessoas que foram deportadas e abraçam a Igreja da Fronteira como um lar, uma forma de obter e prestar apoio uns aos outros", afirma o pastor americano.

"Alguns dos que estão no México ainda têm família do lado americano da fronteira. Para eles, participar do culto pode ser uma forma de estar ligado aos EUA, com as pessoas que foram deixadas para trás mesmo que só espiritualmente.".

Reprodução/Facebook Border Church
A cerimônia da Igreja da Fronteira acontece ao mesmo tempo nos dois lados da cerca, e fiéis fazem a mesma oração --com as mãos sobre o muro-- no encerramento do culto

O pastor conta que, de vez em quando, é possível ver algumas manifestações espontâneas entre os visitantes, como um recente aniversário.

"Uma das famílias estava lá porque a jovem, que vive nos EUA estava fazendo quinze anos, era uma debutante. Sua mãe havia sido deportada e estava no lado mexicano. No fim, quando estávamos fazendo a benção de encerramento, nos reunimos com elas e cantamos parabéns. Uma outra família que estava lá e não tinha relação nenhuma com a jovem veio, a abraçou, e cantou também. Sua mãe ficou muito emocionada, assim como toda a comunidade que se reuniu para celebrar o aniversário desta garota, que não pode celebrar com a mãe", relembrou Fanestil.

Antes de o governo federal isolar a área, o jardim binacional era cultivado dos dois lados da cerca, e as pessoas trabalhavam juntas, ao mesmo tempo. Ele fica em uma área em que nem mesmo os visitantes do parque podem circular --as visitas ao muro são feitas em uma faixa de terra bem pequena, onde o muro contém uma grade que permite somente que as pontas dos dedos das pessoas se toquem.

Para fazer a manutenção do jardim do lado americano, o americano Daniel Watman conta com a boa vontade dos patrulheiros da fronteira para entrar, muito de vez em quando, no espaço para cuidar das plantas.

Reprodução/Facebook Friendship Park-El Parque de la Amistad
Do lado americano, jardim hoje só tem manutenção quando os guardas da fronteira permitem; do lado mexicano, ainda é cuidado pela comunidade de Tijuana

Segundo Watman, a proposta do jardim era criar um espaço para que as pessoas fizessem amizades apesar do muro.  "Você poderia passar o dia lá e trabalhar no jardim, conversar, ver as pessoas do outro lado, conhecê-las", conta Watman.

Segundo ele, no lado mexicano, o jardim é bem conhecido, já que está no caminho das pessoas para a praia, e é mantido pela comunidade até os dias de hoje, apesar do isolamento do lado americano.

"O conceito de criar mais muros e mais separação tem base na ideia de que o país precisa se proteger de pessoas más cruzando a fronteira, e isso não é correto", diz Watman. "Uma ideia melhor seria que as pessoas dos dois lados se entendessem e se conhecessem, que existisse menos separação. Acho que isso nos tornaria mais seguros. A separação criada com muros e policiamento na verdade cria uma situação mais perigosa quando as pessoas não se conhecem", completa.

Para o pastor americano, quem vive longe da fronteira não entende como é a realidade da região e que são comunidades muito ligadas, mesmo depois da construção do muro. Ele lembra que, todos os dias, milhares de mexicanos de Tijuana cruzam a fronteira legalmente para trabalhar em San Diego e voltam para suas casas, e que isso sempre foi parte da rotina da região.

"As pessoas que moram longe da fronteira só ficam sabendo de histórias horríveis de tráfico de drogas, criminalidade, violência, e têm a impressão de que a fronteira é um lugar muito perigoso. Mas na verdade não é. As cidades americanas da fronteira estão entre as mais seguras do país, frequento o parque há anos e nunca vi nenhum ato de violência", afirma Fanestil.

John Moore/Getty Images/AFP
No lado mexicano, a área da cerca é aberta 24 horas e inúmeras atividades ocorrem no local --além do encontro com os familiares do outro lado da fronteira

Ponto de reencontro controlado

Famílias de todos os Estados do EUA e do México viajam para San Diego e Tijuana com a esperança de rever os familiares do outro lado da cerca. As autoridades fazem uma fila e permitem apenas 25 pessoas na área controlada --alguém só entra quando outra pessoa sai. Por isso, as atividades destes grupos nesta área são mais difíceis de serem organizadas, já que eles dão prioridade aos reencontros das famílias.

"Algumas daquelas pessoas estão separadas há anos, décadas. Muitas vêm de longe, querem conversar com quem está do outro lado, e não participar das atividades. E respeitamos isso", diz Watman. Mas, segundo ele, estas atividades tem um objetivo muito maior: forçar o governo a manter a área aberta.

"As atividades visam ampliar a conexão com os dois lados separados pelo muro e ajudar estas famílias. São elas quem tiram vantagem de um acesso maior, de mais possibilidades. Trabalhamos pelo acesso de cada vez mais pessoas ao parque, e as atividades acabam ajudando", diz o organizador do jardim binacional.

Reprodução/Borders Angels
Em maio deste ano, a guarda da fronteira abriu a chamada "porta da esperança" para que os parentes pudessem se abraçar por alguns minutos

A ONG californiana Border Angels, famosa por espalhar galões de água nas rotas mais usadas por imigrantes ilegais no deserto americano, conseguiu que as autoridades da fronteira abrissem pela quarta vez a chamada "porta da esperança" --a porta de manutenção da cerca-- para que as famílias possam se abraçar. O evento acontecerá no próximo dia 19 de novembro.

Os organizadores do Amigos do Parque da Amizade tentam, com uma petição, algo mais simples: apenas para que as pessoas possam se encontrar e se tocar na área em que a fronteira não possui a cerca, apenas vãos que permitem a passagem de um braço, por exemplo.

Reprodução/Facebook Borders Angels
A "porta da esperança" é na verdade uma porta de manutenção da cerca instalada na fronteira entre os EUA e o México e foi aberta somente três vezes --a quarta será neste mês

O muro de Trump

A fronteira americana tem aproximadamente 3.100 km, dos quais cerca de 1.050 km possuem algum tipo de barreira física, como cercas, muros de concreto e outras estruturas construídas para impedir a travessia.

A proposta de Trump é fazer com que o México pague pelo muro nas áreas que ainda não possuem nenhum tipo de bloqueio. Segundo ele, a medida é necessária para impedir a imigração ilegal e mexicanos seriam criminosos, traficantes e estupradores.

Apesar disso, estudos mostram que o número de ilegais no país --11,1 milhões em 2014-- está estável desde a crise que atingiu os EUA, em 2009. Além disso, o número de imigrantes vindos do México caiu, enquanto o total de outras regiões do mundo aumentou.

Segundo estudo do Pew Research Center, o maior fluxo de ilegais vem, desde 2009, de países da América Central, Ásia e África Subsaariana. Entretanto, os mexicanos ainda representam mais da metade (52%) dos ilegais no país.

Mexicanos arriscam a vida para cruzar para os EUA e dizem não temer

A Califórnia é um dos Estados que apontaram estabilidade no número de imigrantes ilegais, e é hoje o Estado com a maior população sem documentos. De acordo com o estudo, os Estados que apresentaram crescimento são Massachusetts, Pensilvânia, Virgínia, Washington, Nova Jersey e Louisiana-- o único com aumento efetivo no número de mexicanos.

Outro detalhe é que nenhum Estado que registrou aumento na população ilegal está na área do muro prometido por Trump.

Hoje 27,3 milhões de eleitores têm origem latina nos EUA, metade deles é identificada como "millennials", nascidos depois dos anos 80. O Pew Research Center estima em suas pesquisas que metade dos eleitores latinos registrados (54%) acredita que o Partido Democrata estaria mais preocupado com a comunidade hispânica. Apenas 11% afirmam que o Partido Republicano se preocupa mais com os latinos.

Sete em cada dez eleitores registrados hispânicos planejam ir às urnas nesta eleição, e um em cada cinco votará pela primeira vez. Entre os republicanos latinos que apoiam Trump, 83% nasceu nos EUA. Entre os apoiadores latinos de Hillary, 64% nasceu em território americano.

Cemitério nos EUA recebe corpos de imigrantes "esquecidos"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos