Rússia anuncia fim da batalha por Aleppo

  • George Ourfalian/AFP

    Forças leais ao governo sírio caminham pelo bairro de Bustan al-Qasr, em Aleppo, após capturar a área, na Síria

    Forças leais ao governo sírio caminham pelo bairro de Bustan al-Qasr, em Aleppo, após capturar a área, na Síria

 A operação da Rússia e do Exército sírio na cidade de Aleppo "chegou ao fim" e as forças fiéis ao ditador Bashar al-Assad agora "tem pleno controle da zona oriental", anuncia autoridades russas nesta terça-feira (13).

"Durante a última hora recebemos informações de que as atividades militares em Aleppo oriental terminaram", disse Vitaly Churkin, embaixador russo na ONU, ao Conselho de Segurança.

"O governo sírio estabeleceu controle sobre Aleppo oriental", acrescentou o embaixador, que poucos minutos antes tinha ressaltado que a ofensiva terminaria em um prazo de horas.

Ao sair do encontro, Churkin esclareceu aos jornalistas que durante a reunião recebeu a notícia de que as operações militares acabaram com o início da aplicação de um acordo para permitir a saída dos combatentes rebeldes da cidade.

"Não há necessidade de operação militar porque estão saindo. Se tudo correr bem, isso quer dizer que a luta por Aleppo oriental acabou", garantiu o diplomata.

 

Karam al-Masri/AFP
Sírios deixam bairro de Aleppo durante operação

O anúncio do fim dos combates ocorre horas depois de representantes russos terem informado À ONU que estavam dispostos a respeitar um cessar-fogo para que os rebeldes - que lutam contra o governo de Assad - e os civis pudessem deixar a região.  

O acordo havia sido também confirmado por Osama Abu Zayd, conselheiro-geral do Exército Livre da Síria, uma das maiores forças contra Assad. Segundo ele, a trégua já começa a valer na noite de hoje, quando um primeiro grupo de pessoas iria deixar a cidade.  

AFP
Sírios chegam ao bairro de Fardos, em Aleppo, após fugirem de suas casas

Se confirmado o fim dos ataques, ele ocorre em um dia que a ONU voltou a condenar fortemente as ações militares dos russos, que atuam em prol de Assad, contra os rebeldes na cidade.  

O secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, afirmou que estava "preocupado" com as notícias das atrocidades cometidas contra civis, incluindo mulheres e crianças, e destacou que "todas as partes têm a obrigação de proteger os civis e de respeitar o direito internacional humanitário".

No entanto, Ban Ki-moon ressaltou que há uma "particular responsabilidade do governo sírio e de seus aliados".  

George Ourfalian/AFP
Membro de força leal ao governo sírio fica próximo a tanque na cidade velha de Aleppo após a captura

Já o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos fez um apelo para que a comunidade internacional envie observadores independentes para Aleppo para monitorar a situação dos civis. 

Segundo a entidade, "o que está ocorrendo em Aleppo poderá se repetir em Duma, Raqqa, Idlib" e "nós não podemos permitir isso".

O governo americano pediu o envio de observadores internacionais a Aleppo para supervisionar a retirada dos civis, após informes de que as forças do governo sírio teriam cometido execuções nas batidas casa a casa.

Em uma reunião de emergência do Conselho de Segurança, a embaixadora americana na ONU, Samantha Power, disse que os observadores "supervisionariam a evacuação segura das pessoas que quiserem ir embora, mas que, justificadamente, temem ser abatidos na rua ou enviados para alguns dos 'gulags' de Assad".

O representante de Moscou falou de "notícias falsas" e de "propaganda" e ressaltou que não há nenhuma prova de assassinatos e detenções de civis. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos