Polícia fala em "suposto atentado" após ataque com caminhão em Berlim

Do UOL*, em São Paulo

A polícia de Berlim informou, nesta terça-feira (20), que o caminhão que atropelou ontem os visitantes de uma feira natalina no centro da cidade, deixando 12 mortos, "foi conduzido deliberadamente em direção a multidão" e falou pela primeira vez de um "suposto atentado terrorista".

"Toda ação policial contra o suposto atentado terrorista em Breitscheidplatz continua a toda velocidade e com o cuidado necessário", manifestou através de sua conta oficial no Twitter. 

Além das doze pessoas mortas, outras 48 pessoas ficaram feridas na ação desta segunda-feira (19), e foram levadas para hospitais, segundo a polícia alemã. 

Arte UOL
O crime aconteceu por volta das 20h15 (horário local, 17h15 em Brasília) na praça Breitscheidplatz, quando o veículo saiu da pista e invadiu a feira. Aparentemente, o caminhão entrou em uma área aberta ao público, circulou entre as barracas e colidiu com uma grande árvore de Natal. Nessa época do ano, os mercados natalinos atraem uma grande quantidade de turistas e locais. 

O caminhão estava carregado com vigas aço, segundo a polícia, o que teria feito com que ele ficasse ainda mais pesado e piorasse as consequências da colisão. 

O motorista do caminhão tentou fugir do local após o incidente, mas foi preso; o passageiro do caminhão foi encontrado morto, segundo o jornal Bild. A polícia ainda não confirmou a identificação dos dois ocupantes do caminhão. Segundo a Deutsche Welle, o passageiro era polonês. 

O veículo pertencia a uma empresa de transporte da cidade de Gdansk, na Polônia, informou o jornal "Berliner Zeitung". Segundo a publicação, o dono da companhia, identificado como Ariel Z, informou que seu primo iria conduzir o caminhão até a capital alemã e que, segundo ele, iria passar a noite na cidade.

Porém, ao ser entrevistado por uma emissora da Polônia, Ariel afirmou que o motorista não era seu primo. "A pessoa que saiu do veículo não é meu motorista".

Segundo a imprensa local, há uma chance de o veículo ter sido roubado. O caminhão devia ter descarregado uma mercadoria em Berlim às 16h, mas não o fez, levantando suspeitas de que o passageiro morto no caminhão poderia ser o primo de Ariel.

Também nesta segunda-feira (19), um tiroteio em um centro de orações muçulmanos deixou três feridos em Zurique, na Suíça. Além disso, o embaixador da Rússia na Turquia, Andrei Karlov, foi morto por um atirador enquanto visitava uma galeria de arte em Ancara, capital turca. 

Situação dramática

A polícia chegou a pedir para que as pessoas não saíssem de casa e evitassem chegar perto da feira natalina por ter descoberto um item suspeito, mas a ameaça foi suspensa. Por segurança, o mercado foi evacuado.

Após a ação, o prefeito de Berlim, Michael Müller (SPD) prestou condolências às famílias da vítimas. "O que vemos aqui é dramático", afirmou o chefe de governo.

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou estar em luto. "Estamos em luto e esperamos que os muitos feridos recebam a ajuda necessária", divulgou o porta-voz de Merkel, Steffen Seibert, em sua conta no Twitter.

A diretora do portal "SITE", que monitora as atividades dos extremistas na internet, Rita Katz, informou que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis) tinha dado "instruções" para realizar ataques em mercados de Natal.

Semelhança com Nice

O incidente evocou lembranças ao atentado em Nice, na França. No dia 14 de julho, um caminhão avançou sobre a multidão que comemorava o feriado nacional francês da Tomada da Bastilha, matando 86 pessoas e ferindo quase uma centena de pedestres. Havia cerca de 30.000 pessoas no local.

Uma mulher que estava perto do mercado de Berlim assim que o caminhão se chocou contra a feira postou uma imagem do estrago e avisou os amigos e familiares que estava salva.  

Fabrizio Bensch/Reuters
Caminhão ataca feira natalina no oeste de Berlim, na Alemanha
Após o ataque, líderes mundiais se solidarizaram com Berlim e enviaram mensagens de apoio aos alemães.

O primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentiloni, lamentou o ocorrido. "Dor pela tragédia de Natal em Berlim. Estou próximo a Angela Merkel e a todo o povo alemão", escreveu em sua conta no Twitter.

Uma declaração da Casa Branca afirmou que os Estados Unidos condenam "o que parece ter sido um ataque terrorista". "Enviamos nossos pensamentos e orações às famílias e entes queridos dos que foram mortos, assim como desejamos uma rápida recuperação aos feridos".

O texto de Ned Price, porta-voz do Conselho Nacional de Segurança americano, também deixou claro que o país está disposto a ajudar a Alemanha com o que for necessário. 

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, emitiu uma declaração sobre o evento. "Nossos corações estão com os entes queridos das vítimas desse horroroso ataque. Esses terroristas devem ser erradicados da face da Terra". O empresário também twittou sobre o tema. 

Já o presidente da França, François Hollande, afirmou que "os franceses partilham o luto dos alemães" e também publicou mensagem no Twitter.

Após o incidente fatal no mercado de natal em Berlim, as autoridades francesas suspeitaram de um ataque terrorista e reforçaram as medidas de segurança em todo o país. 

Cidades como Paris, Madri e Londres já sofreram com atentados. 

(Com as agências EFE, Reuters, AFP e Ansa)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos