Irã confirma teste de míssil e nega violação do acordo nuclear

Do UOL, em São Paulo

  • Vadim Savitsky via AP

    O ministro da Defesa iraniano, Hossein Dehghan

    O ministro da Defesa iraniano, Hossein Dehghan

O ministro da Defesa iraniano, o general Hossein Dehghan, confirmou um teste de míssil, denunciado pelos Estados Unidos, e afirmou que não constitui uma violação do acordo nuclear, informou nesta quarta-feira (1º) a agência Isna.

"O recente teste está dentro de nossos programas e não permitiremos a ingerência estrangeiro em nossos assuntos de defesa", disse Dehghan

"Esta ação não está em contradição com o acordo nuclear, nem com a resolução 2231" que o ratificou, afirmou Dehghan, acrescentando que o teste ocorreu no âmbito "do prosseguimento no programa defensivo" do Irã.

A resolução 2231, o texto com o qual o Conselho de Segurança ratificou o acordo nuclear negociado entre Irã e várias potências internacionais, cobra que Teerã não faça lançamentos de mísseis capazes de transportar armas atômicas.

Na terça-feira (31), a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, disse que o teste realizado pelo Irã no último fim de semana é "absolutamente inaceitável"

"Podemos confirmar que o Irã realizou um teste de mísseis de médio alcance no domingo, 29 de janeiro. É totalmente inaceitável", disse a representante americana à imprensa, após uma sessão a portas fechadas do Conselho de Segurança da ONU.

Haley criticou a afirmação do Irã de que esse teste não viola as resoluções da ONU, porque os mísseis testados são unicamente para fins de defesa e não são projetados para transportar ogivas nucleares.

Teerã "sabe que não deve fazer testes de mísseis balísticos", disse Haley.

O míssil lançado no domingo é capaz de levar uma carga útil de 500 kg e tinha um alcance de 300 km, segundo a embaixadora.

"É mais do que suficiente para ter capacidade de transportar uma arma nuclear", disse Haley. "Os Estados Unidos não são ingênuos", acrescentou.

A Rússia, por sua vez, afirma que a resolução 2231 "não proíbe" o Irã deste tipo de atividade, mas somente contém um "apelo" para evitá-la, e acusou os Estados Unidos e Israel de tentarem "aquecer a situação". Outros membros do Conselho, como o Reino Unido, se referem a estes testes como "inconsistentes" com a resolução, mas evitam falar em "violações".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos