É possível, mas improvável, que a Rússia soubesse de planos de ataque químico na Síria, diz Trump

Do UOL, em São Paulo

  • Jonathan Ernst/Reuters

    Donald Trump ao lado do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg

    Donald Trump ao lado do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quarta-feira (12), que é possível, mas improvável, que o governo russo soubesse antecipadamente dos planos do presidente sírio, Bashar al-Assad, de realizar o ataque com armas químicas de deixou mais de 80 mortos no norte da Síria. Durante entrevista coletiva ao lado do secretário-geral da Otan, o norueguês Jens Stoltenberg, Trump afirmou que não se arrepende do ataque contra a base área síria e agradeceu o apoio da Otan ao ataque americano.

O Pentágono afirmou após o ataque americano ter evidências de que a Rússia teria participação no ataque. Aviões russos teriam bombardeado um hospital que fazia o atendimento aos feridos pelo ataque sírio com gás sarin para encobrir as provas do uso de armas químicas.

"Assad é um assassino", disse Trump ao lado de Stoltenberg. Segundo o presidente, chegou o "momento de por um fim à brutal guerra civil na Síria e permitir que centenas de milhares de refugiados retornem a seus lares". Trump insistiu em que é necessário "trabalhar juntos para resolver o desastre que está ocorrendo na Síria".

Stoltenberg, que está em Washington, disse que "qualquer uso de armas químicas é inaceitável, não pode ficar sem resposta e os autores devem ser responsabilizados".

Trump disse ainda que o presidente russo, Vladimir Putin, está apoiando uma pessoa que é verdadeiramente má [em referência ao presidente Assad], e isto é muito ruim para a Rússia. Questionado sobre as relações dos EUA com Moscou, o presidente americano desconversou: "Veremos", respondeu, em referência aos diálogos feitos nesta quarta pelo secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que está em Moscou e foi recebido por Putin. "Seria fantástico se pudéssemos nos dar bem com Putin e a Rússia", disse.

"Agora mesmo não estamos nos dando bem com a Rússia em nada. Podemos estar em um dos pontos mais baixos de todos os tempos. Isto vem sendo construído em um longo período de tempo", disse Trump.

Recuo nas críticas à Otan

Em um tom muito mais positivo em comparação com as críticas feitas por ele durante a campanha presidencial e suas primeiras semanas como presidente, Trump elogiou os trabalhos da Otan. "Eu disse que a Otan era obsoleta. Ela não é mais", afirmou. 

Trump insistiu ainda o seu apelo para que os países integrantes da aliança militar honrem com seus compromissos e paguem suas dívidas com o grupo e aumentem a a despesa em Defesa até o objetivo estipulado de 2% do PIB (Produto Interno Bruto). Da sua parte, Stoltenberg reafirmou que esta é uma de suas "prioridades" e que espera que todos os países-membros cumpram com o prometido.

"A mensagem clara e direta do presidente Trump ajudou, e vemos como os países estão começando a trabalhar na direção adequada", acrescentou o secretário-geral da Otan.

A cúpula de líderes da Otan programada para o final do próximo mês de maio em Bruxelas será a primeira viagem internacional de Trump e sua apresentação oficial fora dos EUA, após chegar ao poder no último mês de janeiro. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos