PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Repórter interrompe "ao vivo" e salva homem de correnteza nos EUA; assista

Motorista se confundiu e tomou a direção de um rio com o carro no Texas - Reprodução
Motorista se confundiu e tomou a direção de um rio com o carro no Texas Imagem: Reprodução

Colaboração para o UOL

30/08/2017 15h34

Um repórter da "CNN", canal de notícias norte-americano, interrompeu uma entrada ao vivo em um telejornal para salvar um homem, cujo carro era arrastado por uma correnteza em Beaumont, no Texas. O estado é o mais atingido pela tempestade Harvey, que nos últimos dias têm deixando mortos e desabrigados.

O jornalista Drew Griffin estava iniciando uma passagem ao vivo para falar sobre os estragos da tempestade quando, ao olhar para trás, percebeu que uma caminhonete era arrastada por uma correnteza.

“Olha isso. Saia do carro, amigo”, gritou o repórter, que pediu uma corda e correu em direção ao veículo. Ele jogou a corda e conseguiu resgatar o homem, Jerry Samuel, que foi puxado para cima de um barranco enquanto o carro era levado pela correnteza.

Sem ferimentos, Samuel seguiu andando em direção ao veículo da reportagem conversando calmamente com Griffin. Depois de se despedir, ele voltou para um declaração ao vivo: “Eu quero te agradecer por salvar a minha vida, obrigado.”

“Respire, beba um pouco de água”, respondeu o repórter. Questionado pelo âncora do jornal, Griffin tentou explicar o que aconteceu ao motorista. Ele conta que Samuel deixou o estacionamento de uma empresa e decidiu pegar uma via aparentemente coberta por um espelho d’água.

“O que parecia uma rua era na verdade um barranco inundado de água”, explicou Griffin. “Ele saiu de um estacionamento e pegou um 'rio' ao invés da rua. A sorte é que tínhamos uma corda e conseguimos resgatá-lo.”

Ele disse que a única coisa a se fazer naquele momento era tentar o salvamento porque não havia tempo para acionar o resgate: “Não tinha jeito de ligar 199. É por isso que não se deve sair de carro nesse momento. Mesmo que esteja desconfortável em casa, é aí que se deve ficar até que a tempestade acabe de vez.”

Internacional