Trump corta assistência financeira ao Paquistão e coloca país em lista de vigilância

Do UOL*, em São Pauli

  • Saul Loeb/AFP

Os Estados Unidos suspenderam boa parte da ajuda financeira dada ao Paquistão, anunciou nesta quinta-feira (4) a porta-voz do Departamento de Estado da Casa Branca, Heather Nauert. A medida cumpre assim com ameaças feitas no começo da semana pelo presidente americano, Donald Trump, via Twitter

Além disso, o Departamento de Estado colocou o país numa lista especial "de vigilância", por "violar severamente liberdades religiosas". 

Segundo o "New York Times", a administração Trump já havia atrasado um repasse de US$ 255 milhões, esperando que Islamabad tomasse maiores providências em relação ao terrorismo. Há algum tempo, Trump vem acusando o país de fazer "vista grossa" a suspeitos abrigados em território paquistanês - o que tem azedado a relação entre os dois países até então aliados. 

De acordo com Nauert, o corte é feito devido à frustração americana ante os esforços paquistaneses em acabar com o terrorismo. Nauert disse ainda que o congelamento não é permanente, nem total, limitando-se a recursos para apoio militar. Ela não forneceu uma estimativa da quantia financeira em questão, mas disse tratar-se de um valor significativo.

Pervez Masih/AP Photo
Protestos contra Donald Trump em Hyderabad, no Paquistão, após o presidente norte-americano acusar o país de esconder terroristas

Desperdício de US$ 33 bilhões

Na segunda-feira (1º), o presidente norte-americano foi ao Twitter acusar o país islâmico de dar abrigo a terroristas do Afeganistão, desperdiçando assim os mais de US$ 33 bilhões doados pelo governo americano ao Paquistão nos últimos 15 anos.

Como reação, o governo paquistanês convocou o embaixador dos Estados Unidos no país para prestar esclarecimentos O primeiro-ministro do país, Shahid Khaqan Abbasi, também convocou uma reunião do Comitê de Segurança Nacional apenas para debater o tuíte, e ainda provocou Trump, sugerindo que contratasse uma auditoria americana para checar o uso do dinheiro doado.

Em 2016, o líder talibã Mullar Mansour foi morto por forças americanas em solo paquistanês. Cinco anos antes, o procurado extremista Osama bin Laden também foi encontrado e morto no país, por uma missão dos Estados Unidos. O Paquistão, por sua vez, nega qualquer apoio a terroristas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos