PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Pela primeira vez, Paraguai faz eleição bilíngue para escolher novo presidente

Propagandas eleitorais da Aliança Nacional (esq.) e do Partido Colorado usam guarani e espanhol para comunicação com eleitores. Eleição presidencial terá pela primeira vez cédula bilíngue - Norberto Duarte/AFP Photo
Propagandas eleitorais da Aliança Nacional (esq.) e do Partido Colorado usam guarani e espanhol para comunicação com eleitores. Eleição presidencial terá pela primeira vez cédula bilíngue Imagem: Norberto Duarte/AFP Photo

Bruno Aragaki

Do UOL, em Assunção (Paraguai)

22/04/2018 04h02

Instruções como “Ehai ko’ápe” –-ou “marque aqui”, em guarani-- estamparão pela primeira vez as cédulas eleitorais presidenciais no Paraguai, onde 4 milhões vão às urnas neste domingo (22). O candidato de direita, Mario Abdo Benítez, é considerado favorito, o que deve dar ao Partido Colorado mais cinco anos à frente do governo paraguaio.

Até então, todas as votações, assim como a maioria das comunicações escritas no Paraguai, aconteciam apenas em espanhol --idioma que, segundo estimativas oficiais, não é compreendido por 27% da população paraguaia. Desde 1992, a Constituição Paraguaia declara que ambos os idiomas são oficiais no país.

O país vizinho escolherá também senadores, governadores e deputados, no primeiro processo eleitoral nacional bilíngue de sua história.

Cédula eleitoral paraguaia - Tribunal Superior de Justicia Electoral del Paraguay / Cessão ao UOL - Tribunal Superior de Justicia Electoral del Paraguay / Cessão ao UOL
Além dos comandos em espanhol, cédulas eleitorais no Paraguai incorporaram instruções em guarani
Imagem: Tribunal Superior de Justicia Electoral del Paraguay / Cessão ao UOL

“O guarani já é a língua do dia a dia dos paraguaios. Nosso esforço agora é trazê-lo para o universo das formalidades”, disse Ladislaa Alcaraz, ministra de Políticas Linguísticas. “Os candidatos usam o guarani durante as campanhas para que suas ideias cheguem a toda a população. Agora, é o Estado tentando recuperar o tempo perdido para se comunicar com os cidadãos”, completou a titular.

Em 2015, o país já havia, de modo experimental, incluído instruções em guarani nas cédulas utilizadas nos pleitos municipais. Agora, o idioma estreia em eleições nacionais e aparece também em materiais informativos, como cartazes e cartilhas que empregam, também pela primeira vez, regras ortográficas oficiais.

“O guarani está em processo de normatização. Ele é ensinado nas escolas desde 1994, mas o alfabeto foi aprovado em 2015, as regras ortográficas no ano seguinte e, em 2018, devemos fechar a gramática”, disse Carlos Ferreira, presidente da Academia da Língua Guarani.

Cartazes bilíngues em Assunção - Bruno Aragaki/UOL - Bruno Aragaki/UOL
Às vésperas das eleições, materiais informativos bilíngues, em espanhol e em guarani, foram instalados em unidades da Justiça Eleitoral paraguaia, em Assunção
Imagem: Bruno Aragaki/UOL

Protagonismo eleitoral

Falado por 8 milhões de pessoas na América do Sul – incluindo 30 mil falantes no Brasil, segundo o IBGE, e mais de 5 milhões no Paraguai--, o guarani teve papel central nesta corrida eleitoral paraguaia, não apenas pela sua inclusão nas comunicações oficiais.

Durante as prévias do Partido Colorado --em que votaram quase 1 milhão de paraguaios--, Santiago Peña, o pré-candidato apoiado pelo presidente atual, Horacio Cartes, virou “meme” por não dominar o idioma nativo.

Peña tentou reverter a imagem publicando vídeos ao lado de sua professora de guarani e reconhecendo a dificuldade com a língua (“o som nasal é o que mais me custa”, dizia em um deles). Mas acabou superado pelo concorrente, fluente em guarani, Mario  Abdo  Benítez.

“Peña era poliglota, falava inglês, e não falava guarani”, resumiu o motorista de táxi Carlos Santos, em crítica ao político que mostrava dificuldades com a língua das ruas.

Em Assunção, onde se ouvem com frequência frases que começam em um idioma e terminam no outro, a novidade é recebida com pouca empolgação por parte da população. “Estamos acostumados a falar misturando o espanhol e o guarani, mas é mais fácil ler e escrever em espanhol”, disse a garçonete Carla Sanches, uma das 350 mil ‘brasiguaias’ no país – cidadã paraguaia descendente de família brasileira.

Para a ministra de Políticas Linguísticas, porém, mais do que efeitos práticos, a medida tem um peso simbólico. “Quando a pessoa vê aquele idioma escrito, em comunicações do governo, ela entende que aquela língua também tem prestígio”, defendeu Alcaraz.

Além do Paraguai, o guarani também é falado no norte da Argentina e em partes da Bolívia e do Brasil. Em 2010, o idioma foi declarado oficial, ao lado do português, no município de Tacuru, no Mato Grosso do Sul.

Internacional