Por que o vulcão da Guatemala matou dezenas de pessoas, e o do Havaí não

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images

    Erupção do vulcão Kilauea, no Havaí

    Erupção do vulcão Kilauea, no Havaí

Dois vulcões entraram em erupção nas últimas semanas em países diferentes, ganhando os noticiários com imagens impressionantes de fumaça negra subindo aos céus e lavas escorrendo pelas ruas.

O primeiro deles a romper, o Kilauea, no Havaí, causou principalmente danos materiais ao arquipélago norte-americano. O segundo, o Vulcão de Fogo, matou no domingo (3) mais de 65 pessoas na Guatemala. 

Veja também:

Especialistas que falaram sobre a questão na mídia internacional explicaram as diferenças entre os vulcões guatemalteco e havaiano, que fazem com que um seja tão mais mortífero que o outro. São questões relacionadas a particularidades de cada erupção, mas também à demografia das regiões em que o fenômeno ocorreu.

Entenda melhor cada ponto:

AFP
Imagens da destruição após a erupção do vulcão na Guatemala

Diferenças na erupção

As imagens do desastre deste domingo são visivelmente diferentes das divulgadas durante a erupção do Kilauea - que acontece de forma intermitente desde 3 de maio.

O Vulcão de Fogo fez subir sobre a aldeia El Rodeo uma nuvem de cinzas e gás, em contraste à lava que escorreu lentamente do Kilauea.

Segundo explicou a revista National  Geographic, o Kilauea é um exemplo do que a ciência chama de vulcão em escudo. O nome é dado devido ao formato desse tipo de estrutura geológica. São formações constituídas basicamente por fluxos de lava que escorrem das fissuras do vulcão e do subsolo dos arredores. Essa lava, de baixa viscosidade, escorre com facilidade a centenas de metros por hora.

Já o Fogo é um estratovulcão, propenso a expelir fluxos ferozes de um magma quente e espesso, composto de cinzas, rochas e gases. Justamente por ser mais espesso, o magma prende o ar, gerando pressão o suficiente para uma grande explosão. 

A avalanche resultante, chamada de fluxo piroclástico, corre a centenas de quilômetros por hora, pegando desprevenida uma população sem tempo hábil para fugir - o que explica o grande número de mortos. Os estratovulcões têm formato de cone e são formados pelas camadas (por isso o nome, "estrato") de lavas expelidas ao longo de muitos anos. 

Soma-se ao perigo do fluxo piroclástico as chuvas constantes que caem sobre o território tropical da Guatemala, que fazem com que rios varram os escombros deixados pelo vulcão. 

Outro exemplo de um estratovulcão é o Vesúvio, localizado no sul da Itália, que em 79 d.C. produziu uma coluna de gás e cinzas de 20 km, destruindo a cidade de Pompeia e dizimando sua população

Diferenças na demografia

Segundo explicou Ivan Cabrera, meteorologista da CNN, o Kilauea está no interior de um parque nacional no Havaí - ou seja, não há uma densidade populacional expressiva nas proximidades. A erupção do vulcão causou a destruição de dezenas de casas de comunidades próximas e a morte de uma pessoa, atingida por uma rocha.

O Vulcão de Fogo, por sua vez, está localizado numa área bem mais densa. A vila de El Rodeo, uma das atingidas pelo fluxo piroclástico, fica bem ao pé da estrutura geológica. "Eles não tiveram tempo para escapar", reforçou Cabrera. 

Segundo o governo da Guatemala, ao todo, mais de 1,7 milhão de pessoas foram afetadas pela erupção, incluindo os moradores de El Rodeo, cuja população é de 14 mil habitantes, e outras áreas próximas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos