PUBLICIDADE
Topo

Viaduto que desabou na Itália precisará ser totalmente demolido, diz governo

Do UOL, em São Paulo

14/08/2018 16h50Atualizada em 14/08/2018 19h17

O vice-ministro de Infraestrutura e Transportes da Itália, Edoardo Rixi, afirmou nesta terça-feira (14) que após o desabamento de parte de uma ponte na cidade de Gênova, no norte da Itália, o viaduto inteiro precisará ser demolido. "Uma ponte como esta não desmoronaria por um raio, nem por uma tempestade. Os culpados devem ser encontrados", afirmou Rixi.

Até agora, o número de mortos no desabamento chegou a 26, e outras 14 pessoas estão feridas --mais cedo, autoridades chegaram a confirmar que o número de mortos chegou a 35. Outras dez pessoas estão desaparecidas. Acredita-se que 30 carros e três veículos de grande porte estavam sobre a ponte no momento da queda. Rixi disse ainda que, com a demolição do viaduto, a região toda será bastante afetada, com "graves repercussões no trânsito e causando problemas para os cidadãos e as empresas da cidade".

A ponte foi construída na década de 1960 e liga a estrada A10, na fronteira da França, com a A7, que segue para Milão. O viaduto Polcevera, que passa a cem metros de altura sobre rio de mesmo nome, tem mais de um quilômetro de extensão. Além das águas, estão abaixo da construção linhas de trem, edifícios e ruas. A ponte também é conhecida como Morandi, em homenagem ao construtor. A via está próxima do aeroporto local.

Veja também:

Algumas testemunhas que estavam perto da ponte antes do colapso afirmam ter visto "um raio atingir a ponte". "Foi logo depois das 11h30 quando vimos o raio atingir a ponte", disse um homem identificado como Pietro M. para a imprensa italiana. A Defesa Civil não confirma a hipótese. Especialistas consultados pelo UOL afirmam que um raio sozinho não causaria o acidente.

Uma seção de 200 metros da ponte, incluindo uma torre que ancorava vários apoios, desabou, lançando grandes placas de concreto reforçado dentro do leito de um rio.

Segundo o jornal italiano "Corriere della Sera", ao menos 20 vítimas já foram identificadas, entre eles uma criança de 10 anos. Pelo menos 440 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas, já que o viaduto passa sobre a cidade. O número de desalojados ainda pode aumentar. Até agora, 11 edifícios já foram esvaziados.

A prefeitura de Gênova decretou dois dias de luto em solidariedade às famílias das vítimas do desabamento. A bandeira da cidade, assim como as da Itália e da União Europeia, será exibida a meio mastro, como sinal de luto no Palazzo Tursi, sede da prefeitura, em prédios municipais e de órgãos públicos, além de edifícios escolares.

As causas do colapso da estrutura ainda são desconhecidas, mas a companhia Autostrade per l'Italia, que administra várias rodovias do país, disse em comunicado que "estava trabalhando para consolidar o pavimento do viaduto".

Projetado pelo engenheiro Riccardo Morandi, o viaduto chegou a ser batizado de "Ponte do Brooklyn" pelas semelhanças com o famoso local em Nova York.

Resgate durante a noite

Em meio a enormes blocos de concreto, centenas de socorristas buscavam sem descanso nesta terça-feira à noite (horário local, tarde no Brasil) sobreviventes entre os escombros. "Não deixaremos de buscar pessoas até termos certeza que ninguém se encontra sob os escombros", assegurou o chefe dos bombeiros, Bruno Frattasi.

Ninguém se atreve, contudo, a adiantar um balanço definitivo das vítimas da queda da ponte Morandi, que muitos genoveses cruzaram durante toda sua vida e que conhecem por seus diferentes problemas e suas caras e polêmicas obras de manutenção.

"Não se perde a esperança, tiramos dezenas de pessoas que estavam embaixo de pedaços de concreto, trabalharemos até que a última vítima seja resgatada", confessa à AFP Emanuele Giffi, encarregada de coordenar os 300 bombeiros que trabalham em três áreas. "Todas as vítimas estavam cruzando o viaduto", conta ao especificar que caíram em um vazio de aproximadamente 45 metros de altura.

O local está completamente cercado pela polícia, que somente deixa entrar os serviços de emergência e impede a chegada de curiosos e inclusive de jornalistas. Não muito longe, centenas de curiosos subiram no terraço de um centro comercial para acompanhar as operações e o sobrevoo de helicópteros.

"Não dormiremos", confessou um porta-voz da proteção civil, que continuará escavando a noite toda sem descanso. "Vivo ali, vejo a ponte todos os dias e caminhava a pé por baixo dela todos os dias", contou Ibou Touré, um senegalês de 23 anos. "Nunca me sentia seguro, escutávamos ruídos o tempo todo, sobretudo quando os caminhões passavam", conta.

Para muitos foi uma tragédia anunciada porque a ponte apresentava rachaduras e se sua demolição já havia sido proposta.

Na área delimitada aos socorristas, quase todos especialistas em tremores, os cães seguem rastros e buscam corpos em meio aos escombros e aos blocos de cimento. As famílias das vítimas recebem assistência psicológica. Não muito longe, um grupo de cerca quinze pessoas observa o vazio deixado pelo ponte, as mulheres choram.

Patrick Villardry, um bombeiro francês especializado na busca de vítimas entre os escombros, espera sua turno com um colega e seus dois cachorros: Arco e Misiles. Os dois já haviam ajudado após o terremoto de L'Aquila em 2009 no centro da Itália. "Por enquanto temos que esperar, há muita confusão", disse. Seus cachorros estão prontos para substituir os italianos quando chegar o momento.