Topo

Gleisi vai à Venezuela representar o PT na posse de Maduro nesta quinta

Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo
A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, fala à imprensa após reunião da Executiva Nacional do partido, em São Paulo Imagem: Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em Sâo Paulo

2019-01-09T22:46:47

09/01/2019 22h46

A presidente do Partido dos Trabalhadores, deputada federal eleita Gleisi Hoffmann, anunciou que estará presente na posse do presidente venezuelano Nicolás Maduro nesta quinta-feira (10) em Caracas.

O mandato é questionado por boa parte da comunidade internacional - incluindo o governo atual brasileiro que, junto de mais 12 países da região, firmaram um documento em que pedem que Maduro não assuma o mandato.

"O Partido dos Trabalhadores (PT) rechaça o intervencionismo e a posição agressiva do atual governo brasileiro contra o país", diz uma nota publicada no site do partido na tarde da quarta-feira e assinada por Gleisi. A nota postula vários argumentos para o comparecimento da presidente do partido na posse de Maduro, tal como a discordância do PT em relação às sanções impostas à Venezuela por parte dos Estados Unidos. 

"Para deixar claro que não concordamos com a política intervencionista e golpista incentivada pelos Estados Unidos, com a adesão do atual governo brasileiro e outros governos reacionários. Bloqueios, sanções e manobras de sabotagem ferem o direito internacional, levando o povo venezuelano a sofrimentos brutais.", diz um dos tópicos do texto explicando o porquê da presença do PT na posse. 

O partido ainda reitera que reconhece a eleição de Maduro por meio do voto popular. O pleito foi contestado pela comunidade internacional, pela oposição venezuelana e por parte da população do país, que não veem legitimidade na reeleição de Maduro. 

Além de Hoffmann, chefes de Estado e representantes de países estarão presentes na posse do presidente venezuelano. Entre eles o mandatário boliviano, Evo Morales, que também compareceu à posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Além de Morales, Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba, e Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, estarão na posse. O ministro da Agricultura da China, Han Changfu, e o vice-presidente da Turquia, Fuat Oktay, representarão seus países.

Entenda as controvérsias em relação à posse de Maduro

Maduro destituiu o Parlamento de maioria opositora eleito em 2015 (mas que nunca conseguiu efetivamente legislar) e convocou uma Assembleia Constituinte. Com maioria chavista, a Constituinte adiantou as eleições presidenciais, realizadas em maio. Maduro foi reeleito para um novo mandato de seis anos, e o chavismo, que controla o país desde 1999, ganhou sobrevida.

Ele saiu vitorioso nas urnas em um pleito em que as muitas lideranças da oposição foram impedidas de concorrer --os que não estão presos ou exilados foram proibidos de disputar qualquer cargo.

Segundo os números oficiais, Maduro teve 67,8% dos votos, contra 20,93% do opositor Henri Falcón.

Mas, dos 20,5 milhões de eleitores registrados para votar em maio do ano passado, 54% não compareceram  --o maior índice de abstenção na história eleitoral da Venezuela. 

Observadores internacionais independentes foram vetados de participar das apurações. 

É por causa de todas estas manobras que a comunidade internacional considera que o mandato que Maduro assume nesta quinta é ilegítimo. 

O Grupo de Lima, que reúne países do continente americano, afirmou que não reconhecerá o mandato do venezuelano. Fazem parte desse bloco Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia --o México é integrante, mas não assinou o documento que considera ilegítimo o mandato de Maduro, mantendo-se neutro. 

A União Europeia e os EUA também defendem a realização de novas eleições no país, de modo democrático.