Topo

Trump anuncia 'sanções incisivas' contra líder supremo e dirigentes do Irã

Presidente Donald Trump assina ordem executiva que impõe sanções ao líder supremo do Irã - Carlos Barria/Reuters
Presidente Donald Trump assina ordem executiva que impõe sanções ao líder supremo do Irã Imagem: Carlos Barria/Reuters

Do UOL, em São Paulo*

24/06/2019 15h51

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou nesta segunda-feira sanções financeiras "incisivas" contra o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, acusando de ser o "responsável em última instância" pelas atividades desestabilizadoras da República Islâmica.

"Continuaremos a aumentar a pressão sobre Teerã", disse Trump ao assinar o texto de sanções no Salão Oval da Casa Branca, prometendo negar ao líder supremo do Irã e sua equipe próxima "acesso a recursos financeiros essenciais".

"O líder supremo do Irã é o principal responsável pela conduta hostil do regime. No seu país o respeitam, e seu escritório supervisiona os instrumentos mais brutais do regime, incluindo os Guardiões da Revolução", ressaltou.

Por outro lado, Trump reiterou que "ficaria encantado" em negociar com Khamenei para diminuir as tensões bilaterais, uma oferta que o líder supremo iraniano rejeitou até agora.

Trump descreveu as sanções como uma "resposta forte e proporcional aos atos provocativos do Irã", poucos dias depois de assegurar que impediu de última hora um ataque seletivo ao país por considerar que não teria sido proporcional à destruição do drone.

No entanto, ao ser perguntado sobre se as sanções são uma represália pela derrubada do drone, Trump respondeu que "é algo que aconteceria de qualquer forma".

O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse depois que as sanções a Khamenei já estavam sendo preparadas antes do incidente com o avião não-tripulado, mas disse que esse fato - e os recentes ataques a navios cargueiros no Golfo Pérsico - motivaram algumas das medidas anunciadas hoje.

O Departamento do Tesouro americano impôs restrições financeiras a oito comandantes iranianos, entre eles o da Força Naval do Corpo dos Guardiões da Revolução, Ali Reza Tangsiri, que lidera a "estrutura responsável pela sabotagem de navios em águas internacionais", como disse a pasta em comunicado.

As sanções também afetam Amir Ali Hajizadeh, comandante da divisão aeroespacial dos Guardiões da Revolução iraniano, "cuja burocracia foi responsável pela destruição" do drone dos EUA; e Mohamad Pakpur, comandante da força terrestre dessa corporação de elite, por suas ações na Síria, segundo o Departamento do Tesouro.

Além disso, ficam sujeitos às restrições os comandantes dos cinco distritos navais da Marinha dos Guardiões da Revolução - Abbas Gholamshahi, Ramezan Zirahi, Yadollah Badin, Mansour Ravankar e Ali Ozma'i - responsáveis pelas operações navais em províncias litorâneas como Bushehr, adjacentes ao estreito de Ormuz.

O chanceler iraniano, Mohamed Javad Zarif, também será alvo de sanções norte-americanas.

Durante a manhã, Trump afirmou que as exigências de seu país ao Irã eram "muito simples": Teerã deve dizer "não às armas nucleares e não ao apoio ao terrorismo".

Mesmo antes de tomar conhecimento da natureza das novas medidas americanas, o Irã minimizou o impacto das novas sanções prometidas, estimando que os Estados Unidos já fizeram tudo o que é possível para punir a república islâmica economicamente.

* Com AFP e EFE

Mais Internacional